Como é que a Covid-19 influenciou a nossa sexualidade?

A pandemia de Covid-19 perturbou as nossas vidas de todas as formas: no trabalho, na nossa vida pessoal/familiar/social e, até, na nossa intimidade.

Covid-19 sexualidade
- Publicidade -

Mas como podem enfrentar positivamente estas mudanças? E como podem as pessoas desfrutar de relações sexuais com o respetivo parceiro de uma forma saudável, sem risco de contágio? Além de seguir medidas de saúde e higiene, como se pode superar a monotonia e o tédio causados pelo confinamento, que diminui o desejo sexual?

Como é que a Covid-19 influenciou o sexo e o prazer?

Segundo a Associação Mundial para a Saúde Sexual, este ano assistiu-se a um aprofundamento dos problemas sociais relacionados com a sexualidade, gravidezes indesejadas, aumento dos casos de doenças sexualmente transmissíveis e violação. Esta é uma preocupação das autoridades sanitárias e das ONG.

No campo privado, o confinamento em casa, causado pelas medidas de prevenção como a quarentena, têm complexado os problemas dos casais, surgindo stresses como a pouca comunicação e a diminuição do desejo e do prazer sexual.

De acordo com um estudo do Instituto Kinsey, no qual foram inquiridas 2.000 pessoas dos Estados Unidos e da Europa de diferentes orientações sexuais (entre 18 e 81 anos), os resultados indicaram que 44% viram uma redução na qualidade da sua vida sexual e 30% nas suas atividades românticas.

Isto deveu-se principalmente ao stress causado pelo medo, ansiedade, incerteza e preocupações com a saúde da família, perda de emprego e problemas de convivência, que são percebidos como sendo mais intensos devido ao confinamento obrigatório.

No entanto, tem sido também uma oportunidade para explorar novas formas de viver a sexualidade, tais como sexting, videochamadas eróticas, ver conteúdo pornográfico e utilizar brinquedos sexuais.

Como desfrutar do sexo em tempos de pandemia?

Devido à necessidade de estarem confinadas ao lar, as pessoas tiveram de procurar outras formas de satisfazer o seu desejo sexual, no caso de não viverem com o respetivo parceiro, ou de aumentarem a temperatura se tiverem constatado que a relação arrefeceu.

De facto, as empresas de acessórios sexuais em todo o mundo têm visto um aumento significativo nos lucros. É o caso do dispositivo de aspiração clitorial da empresa alemã Womanizer, cujas vendas triplicaram no primeiro trimestre do ano, durante o início da pandemia. Especialmente nos mercados internacionais.

No Canadá, as vendas aumentaram 135%, enquanto que, nos Estados Unidos, aumentaram 75%. O mesmo aconteceu com o fabricante sueco LELO, com um aumento de 30% nas encomendas dos seus vibradores e dildos no mercado espanhol.

De acordo com as recomendações de saúde pública, podem ter relações íntimas com medidas de biossegurança, como lavar as mãos antes e depois do ato e tomar banho, escovar e usar elixir bucal. Se preferirem, podem usar um bocal e evitar dar beijos na boca, especialmente se forem novos parceiros.

Até a Câmara Municipal de Nova Iorque publicou um guia para praticar sexo em segurança: lavar as mãos antes e depois da masturbação e higienizar os brinquedos sexuais.

E se viverem com o vosso parceiro, devem usar um preservativo na altura do sexo para evitar gravidezes indesejadas e DSTs, cujos sintomas podem tornar o quadro dos sintomas da Covid-19 mais complexo, caso sejam infetados.

Brinquedos sexuais em tempos de Coronavirus

Uma das alternativas que têm sido apresentadas durante o confinamento é a utilização de brinquedos sexuais com um parceiro para aumentar o desejo sexual. Para a masturbação mútua, os dildos permitem sentir vários multi-orgasmos estimulando o clítoris, o ponto G feminino e o ponto P masculino.

Ao mesmo tempo, podem integrar estes acessórios com diversos jogos sexuais, para além da masturbação. Por exemplo, podem optar por um cosplay sexual, uma lingerie, por dançarem um striptease para o vosso parceiro, verem vídeos pornográficos em conjunto e, claro, desafiarem-se mutuamente com as respetivas fantasias sexuais.

Naturalmente, estes dildos, vibradores e tampões devem ser rigorosamente higienizados de acordo com o que está indicado nas caixas de produtos. A este respeito, os fabricantes recomendam que sejam manchados com lubrificante à base de água se forem utilizados na zona anal.

Devem também lavá-los com água quente ou com algum produto de limpeza especial, secá-los e guardá-los na mala num local arejado. É importante notar que os brinquedos são para uso pessoal, não permutáveis. É preferível que o vosso parceiro tenha o seu próprio.

No caso de não viverem com o nosso parceiro, as tecnologias de informação tornaram-se nossos aliados. As videochamadas, o sexting e o envio de nudes através de conversas têm aumentado o sexo de longa distância.

Intimidade

Como é óbvio, esta sexualidade ativa não garante a resolução dos problemas que têm com o vosso parceiro, latentes antes da pandemia, como a falta de comunicação, desconfiança, infidelidades e feridas.

Muitas pessoas solteiras vivem várias situações, desde a depressão, devido ao sentimento de isolamento e solidão, até ao sentimento de felicidade quando se apaixonam graças a plataformas e aplicações de encontros online.

Neste caso, têm de ser honestos sobre quais são as vossas expetativas na nova relação e se se trata apenas de um romance em tempos de pandemia. Desta forma, poderão desfrutar da vossa sexualidade sem culpa ou ansiedade e, assim, evitarem deceções e desgostos.

A Covid-19 ensinou a tomar medidas de higiene extremas e a rever as relações interpessoais, especialmente com os respetivos parceiros. Isto inclui a vida sexual. Quer vivam juntos ou não, a forma como vivem o vosso próprio prazer é diferente.

Com a ajuda de brinquedos sexuais, lingerie, sexting, sexo oral e cunnilingus ou com vídeos, todas as ferramentas são úteis, desde que sejam consensuais.

Evidentemente, precisam de confiar na comunicação e respeito pelo vosso parceiro em ambos os sentidos, isto se quiserem ter uma relação sexual e amorosa mais íntima e agradável.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

DGS recomenda realização de testes à COVID-19 em casamentos com mais de 10 pessoas

No caso de eventos de natureza cultural ou desportiva, recomenda-se a testagem sempre que o número de participantes/espectadores seja superior a 1.000, em ambiente aberto, ou superior a 500, em ambiente fechado.

Uber junta-se à Unilabs para testes de rastreio à COVID-19 no domicílio

Essencialmente, um motorista Uber irá levar um técnico de colheitas devidamente habilitado da Unilabs ao domicílio de um cliente que tenha requisitado o serviço, com equipamento de proteção individual para a recolha da amostra.

Este tapete desinfeta eficazmente os nossos sapatos contra a COVID-19

O Safecarpet está disponível em vários tamanhos, com preços a partir dos 48€.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Fórmula 1 – Grande Prémio de França com furos na estratégia da Mercedes

A Fórmula 1 voltou ao circuito Paul Ricard com a edição de 2021 do Grande Prémio de França e, se durante os treinos e qualificação, ficou a ideia que os Pirelli podiam sair furados novamente, afinal foi a estratégia da Mercedes que saiu feita em pedaços. No fim, quem festejou foi a Red Bull: vitória de Max Verstappen e 3º lugar para Sergio Pérez.

Mais antiga praça de touros de Portugal dará lugar a um centro cultural

O projeto é da Zaratan, uma associação de arte arte sediada em Lisboa.

Rede regional dos Açores vai ter nove novos percursos pedestres

Os municípios e juntas de freguesa têm agora 12 meses para implementar os traçados aprovados.