Comer insetos. Será esta a alimentação do futuro?

A produção de insetos e de produtos derivados para o consumo humano e animal é um tema cada vez mais atual, com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) a fazer recomendações neste sentido.

- Publicidade -

O setor está a crescer a nível nacional e internacional e pode surgir nova legislação europeia já este ano. Em Portugal, já existem várias empresas a apostar na produção de insetos.

Por exemplo, a farinha de inseto para utilização em alimentos tradicionais, como o pão, é o produto no qual se está a trabalhar neste momento ao nível da produção para consumo humano.

As empresas dedicadas aos insetos para consumo humano, no país, trabalham sobretudo com grilos ou tenebrio, enquanto a Mosca Soldado Negro é utilizada para converter desperdícios vegetais em fontes proteicas para animais.

Vamos mesmo comer insetos?

Bom, pelo menos na Europa, o consumo de insetos não é comum, apesar de serem considerados “novos alimentos”. Na prática, é necessário um parecer da Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA), sendo a decisão final sobre a aprovação do seu consumo da responsabilidade da Comissão Europeia.

Em todo o caso, continentes como a Ásia e Africa, além da América Latina, incluem insetos na sua alimentação. Falamos em cerca de dois mil milhões de pessoas.

Mas falta, acima de tudo, legislação, uma vez que não existe nenhuma espécie de inseto aprovada para consumo humano na União Europeia. no entanto, é expectável que esta chegue no início de 2020, segundo refere Daniel Murta, fundador da EntoGreen e orador do AgroIN.

No caso dos animais, à exceção dos animais aquáticos, a utilização de insetos é proibida na alimentação de animais que são utilizados na alimentação humana.

No espaço europeu, é apenas permitida a utilização de farinha de inseto na alimentação de peixes em aquacultura e de animais de estimação, mas prevê-se que o mercado de alimentação de galinhas e porcos seja aberto já em 2020.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,987FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
784SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – Narita Boy (PlayStation 4)

Viajem para o mundo cibernético neste jogo de ação e aventura centrado num rapaz que é transportado para um videojogo.

Crítica – Thunder Force

Thunder Force é mais uma peça de storytelling sem sentido e absurda de Ben Falcone, caraterizada por um humor insuportavelmente seco e forçado, para além de uma história facilmente esquecível.

Scribd oferece acesso gratuito à MUBI, CONtv e CuriosityStream

Volta a oferta da Scribd, desta vez ainda com mais motivos para aproveitar.

A Corsair revelou novos ratos do seu arsenal para gaming

Os Corsair Sabre RGB Pro e Sabre Pro Champion Series, foram desenhados para as competições.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Narita Boy (PlayStation 4)

Viajem para o mundo cibernético neste jogo de ação e aventura centrado num rapaz que é transportado para um videojogo.

Crítica – Thunder Force

Thunder Force é mais uma peça de storytelling sem sentido e absurda de Ben Falcone, caraterizada por um humor insuportavelmente seco e forçado, para além de uma história facilmente esquecível.

Scribd oferece acesso gratuito à MUBI, CONtv e CuriosityStream

Volta a oferta da Scribd, desta vez ainda com mais motivos para aproveitar.