Cereais Oreo já chegaram aos supermercados convencionais

Curiosamente, o aspeto é ligeiramente diferente de outros que já estavam à venda no mercado português.

Cereais Oreo
- Publicidade -

Foi em 2017 que a novidade foi anunciada: chegavam a Portugal os tão famosos cereais Oreo, trazidos para o país graças a lojas como Glood, Flavers e afins, que se dedicam à comercialização de produtos que não costumamos encontrar nos super e hipermercados convencionais.

Pois bem, reparámos recentemente que lojas como o Continente e El Corte Inglés passaram a vender embalagens com cereais Oreo. Curiosamente, o site português da Oreo, bem como as respetivas redes sociais, não fazem qualquer referência a este produto.

As informações deste novo produto são, por isso, escassas. Contudo, só o aspeto da embalagem deixa-nos perceber que estes cereais Oreo não são propriamente iguais aos que estão à venda na Glood, Flavers e outras. Enquanto essas lojas vendem cereais cuja embalagem é dos Estados Unidos, compostos por argolas de trigo crocantes com sabor a cacau, a versão à venda no Continente e El Corte Inglés contempla ainda pequenos discos de arroz com sabor a baunilha, para replicar a cobertura das bolachas Oreo originais.

Resta saber se estes cereais são bons. Cada embalagem traz 350gr, cujo preço pode variar dependendo da superfície comercial onde os encontram.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,987FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
785SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

North Music Festival é adiado, mas para setembro e outubro deste ano

Dois meses depois, eis que finalmente temos novidades sobre o North Music Festival 2021.

Reconstrução do Muro das Namoradeiras no Terreiro do Paço está finalizada

A reconstrução do Muro das Namoradeiras envolveu a inventariação de mais de 400 pedras que se encontravam depositadas nas instalações do Metro da Pontinha.

Não responder aos Censos 2021 dá origem a uma multa que vai dos 250 até um máximo de 100 mil euros

Sim, é mesmo essa informação que surge no Decreto-Lei n.º 54/2019 de 18 de abril.