#CasaDoCais é a primeira série portuguesa abertamente LGBT

É a próxima websérie a sair do RTP Lab, um laboratório criativo e experimental criado pela estação pública para a concepção de séries orientadas para os mais jovens. Será uma série igual a tantas outras, mas com a diferença de não chegar à televisão, daí o termo websérie.

- Publicidade -

Depois de Amnésia, descrita como um “thriller policial vertiginoso” e que já pode ser vista na RTP Play e no Youtube, chega a 15 de janeiro a próxima produção. Chama-se #CasaDoCais e junta caras bem conhecidas da Internet: os youtubers Kiko Is Hot (Francisco Soares), Peperan (Ana Correia) e Djubsu (Soraia Carrega). Além de youtubers, estes jovens fazem imensas outras coisas para sobreviver. Aqui, juntaram-se a André Mariño e Helena Amaral para protagonizarem esta série.

A realização ficou a cargo de Ana Correia, referindo que a “#CasaDoCais é o materializar do sonho de produzir uma série de comédia com que a nossa geração se consiga identificar. É fantástico ter a oportunidade de mostrar realidades e mentalidades diferentes, assim como a aventura que é ser jovem hoje em dia, numa linguagem actual, crua e cómica.”

Já para o grupo todo, #CasaDoCais é uma “série controversa e bem humorada sobre cinco amigos muito peculiares”, tendo a seguinte sinopse:

“Ema vem para Lisboa e partilha casa com 4 amigos excêntricos. O seu dia-a-dia, e as noites, são marcadas por histórias divertidas, sem tabus, sobre ser jovem no novo milénio (o sexo, as drogas, a procura de emprego, a autodescoberta e o amadurecimento).”

E claro está que já está a causar sucesso… por bons e maus motivos.

Para já, o trailer revelado no passado dia 16 de dezembro já conta com mais de 38 mil visualizações quando combinamos as views do Facebook da #CasaDoCais e RTP e os respetivos canais de YouTube.

Muitos gabam a coragem, ou não fosse esta, como descreve Francisco Soares, “a primeira série portuguesa, de sempre, abertamente LGBT.” Francisco Soares e Ana Correia são homossexuais assumidos e toda a gente os conhece assim.

Infelizmente, a série já está a ser alvo de criticas homofóbicas, com comentários muito desagradáveis a surgirem nas redes sociais.

Mas nem todos estes comentários são de hate gratuito. Muitos seguidores dos protagonistas e do próprio canal do Youtube da websérie dão os parabéns pela iniciativa e pela ousadia em fazer uma produção destas num país que, pelos vistos, ainda é muito retrógrado e homofóbico.


- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

RTP estreia documentário sobre os bastidores de Bem Bom

A realizadora Patrícia Sequeira e as quatro protagonistas, Bárbara Branco, Carolina Carvalho, Ana Marta Ferreira e Lia Carvalho, falam da experiência vivida ao longo de toda a produção.

Crimes Submersos. RTP coproduz nova série que junta atores espanhóis e portugueses

É uma coprodução da RTP com a RTVE e as produtoras Coral Europa e Atlantia Media.

Jogos do Euro 2020 vão ser exibidos nos três canais generalistas

O que significa que SIC, RTP e TVI partilham os direitos de transmissão do Euro 2020.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Electric Daisy Carnival (EDC) Portugal é substituído este ano pelo Secret Project Festival

Vai acontecer no mesmo local que o EDC e nas mesmas datas anteriormente definidas para 2022.

Serviço de streaming OPTO volta ao ativo

Foram três semanas sem acesso à plataforma.

STCP alarga frota com 81 autocarros MAN

Os autocarros têm 12 metros de comprimento e contam com 37 lugares sentados, 44 lugares em pée ainda 1 lugar de cadeira de rodas.