Capitão Fausto com a Orquestra das Beiras no Campo Pequeno (Reportagem)

Um jogo de luzes fantástico acompanha a banda, vestida a rigor com um guarda-roupa de cores fortes: “Qual é que é a guerra que acaba amanhã?”, perguntam os Capitão Fausto, e o mote é quanto basta para a plateia do Campo Pequeno reagir ao tema que tão bem conhece, entoando também o tema “Lentamente”.

Em palco estão Tomás Wallenstein, Domingos Coimbra, Manuel Palha, Salvador Seabra e Francisco Ferreira, mas, no sábado passado, os Capitão Fausto não estiveram sozinhos. Os anfitriões da noite tiveram a seu lado a Orquestra Filarmónica das Beiras, assinando ambos um concerto (que foi filmado) recheado de bons momentos para destacar.

Depois de “Faço as Vontades”, seguem-se os devidos cumprimentos: “Meu grande pessoal como é que estamos? Parece surreal, mas não é! Só faz falta quem cá está!”

É altura de puxar pelo público, que começa a ganhar mais energia, cantando em conjunto “Pontas soltas, isso é comigo!”, enquanto capricha nas palmas ao ritmo da batida. “Continuemos”, sugere Tomás. E assim foi, com “Sempre Bem”, “De Semana em Semana”, “Os Dias Contados” e “Maneiras Más”, num alinhamento que navegou desde o álbum Gazela até ao mais recente A Invenção do Dia Claro.

Ao longo do concerto, a banda e a orquestra – liderada pelo maestro Martim Sousa Tavares – encarregar-se-ão de presentear as bancadas com solos magníficos, com destaque para o baterista Salvador Seabra, com uma prestação inesquecível na bateria.

“Certeza” antecede a muito aguardada balada “Amor, a Nossa Vida”, tocada ao piano apenas com um foco de luz na direção de Tomás Wallenstein. O público sabe a letra de cor, quase como se a tivesse estudado, e canta do início ao fim, numa entrega que o vocalista agradece, formando um coração com as mãos.

Porque o repertório dos Capitão Fausto é extenso, seguem-se “Outro Lado”, “Lameira”, “Amanhã Tou Melhor” e “Morro na Praia”. Pode o concerto estar mais perto do fim, mas a energia do público é cada vez maior: os fãs saltam, cantam a plenos pulmões e há quem faça vénias, rendido aos artistas no palco.

“Tenho uma lágrima no canto do olho”, confessa o vocalista antes de começar “Santa Ana”, uma das favoritas e que teve direito ao tão espetacular solo de bateria. A seguir é tempo para  “Boa Memória” e “Tem de Ser”, com a apresentação dos músicos da banda e da orquestra pelo meio. Quando chega a vez de “Teresa”, o público canta tão alto que Tomás chega mesmo a sentar-se para ouvir cantar o Campo Pequeno em uníssono: “Põe o maço na mesa, a mão na Teresa e os pés no chão”.

Depois de “Célebre Batalha de Formariz” e “Verdade”, ninguém parece querer ir embora, mas “tudo o que é bom tem de chegar a um fim, senão arrisca-se a ser demais…”, refere Tomás, dizendo ao público um “Vocês são fabulosos!” e rematando com um pergaminho de agradecimentos (literalmente) que o cantor lê até ao fim, citando o nome de todos os envolvidos “neste projeto que demorou meses a preparar e começou por ser um sonho”.

Fechados os agradecimentos, ouvem-se os acordes de “Alvalade Chama por Mim”, com um arranjo brilhante e a sonoridade preciosa da orquestra – lindo, é dizer pouco.

Sem surpresa, os Capitão Fausto despedem-se com “Final”, deixando uma frase bem conhecida por todos na sala “Eu sempre disse a mesma coisa: se eu não ficar contigo é tudo em vão.”  Será que alguém conseguiu evitar um arrepio?

Texto de: Inês Peralta; Fotos de: Arlindo Camacho

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,843FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

Campo Pequeno ganha novo espaço que promove peças de arte de artistas nacionais

E começa logo com uma exposição que reúne peças de 14 artistas portugueses.

Concerto da Lisbon Film Orchestra no Campo Pequeno em 2019 vai chegar ao YouTube

Depois do concerto de 2018, a LFO recorda o grande espetáculo do ano passado.

Milky Chance no LxFactory – Uma noite de verão

Poderia muito bem ser um concerto no meio do deserto, com cactos à volta, um areal quente e o barulho das cigarras a enfeitar a voz rouca de Clemens Rehbein, o vocalista da banda alemã Milky Chance, mas o espaço do LxFactory, em Lisboa, preencheu, e bem, o propósito.

Tindersticks na Aula Magna – O encantamento da força tranquila

Os Tindersticks continuam deliciosamente imemoriais, sem ligar a modas ou pressões externas, nem precisam de se dedicar a espetáculos de recordar é viver. Bastam serem eles próprios.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

ANACOM lança plataforma que permite saber onde existe melhor cobertura de rede móvel

Chama-se tem.REDE? e é uma iniciativa incluída no programa SIMPLEX.

Digimon Survive foi adiado para 2021

E não é a primeira vez que o futuro RPG é adiado.