Portugal vai ter cafés-restaurantes que formam e empregam pessoas portadoras de distúrbios mentais e cognitivos

Lisboa e Cascais terão espaços da marca Café Joyeux em 2021 e 2022, respetivamente.

- Publicidade -

Em Portugal, segundo os dados disponíveis, existem aproximadamente 600.000 pessoas portadoras de deficiência, das quais 200.000 com distúrbios mentais e cognitivos. As empresas privadas, com mais de 10 colaboradores, empregam menos de 0,5% das pessoas portadoras de distúrbios mentais e cognitivos e a administração pública menos de 2,3%. A maioria destas pessoas não tem acesso ao mercado de trabalho, a taxa de desemprego da população em geral decresceu 18,8% entre 2011-2016, enquanto a população portadora de deficiência viu a mesma taxa aumentar 26,7%, o que representa uma taxa de desemprego duas vezes superior na população portadora de deficiência. E isto é um problema não só em Portugal, mas também na Europa.

Foi precisamente devido a isso que, em 2017, surgiu em Rennes, França, o Café Joyeux, o primeiro restaurante solidário que tem por objetivo formar e empregar pessoas maioritariamente portadoras de trissomia 21 ou de outro tipo de distúrbios cognitivos como o autismo. Fundado por Yann e Lydwine Bucaille, este conceito solidário e inclusivo tem por missão tornar a diferença visível, potenciar o encontro e propor mais emprego a pessoas que estão afastadas do meio laboral. Agora, ficámos a saber que Portugal também vai receber este conceito.

Lisboa e Cascais, em 2021 e 2022, respetivamente, serão as primeiras cidades portuguesas a receber os cafés-restaurantes Joyeux, representadas em Portugal pela Associação VilacomVida. Está ainda previsto a criação de cinco a sete spots do género no território nacional até 2026.

Segundo a filosofia da marca, os Cafés Joyeux devem ser situados no coração das nossas cidades, em zonas de elevada afluência. A sua carta culinária propõe sempre produtos frescos, da época e são preparados no local por colaboradores Joyeux, privilegiando assim a economia local e circular, a sustentabilidade e o ambiente.

Após uma primeira avaliação, os “colaboradores Joyeux” são recrutados e formados por uma equipa especializada de RH, gestão, cozinha e educadores especializados, Finda a formação, os “colaboradores Joyeux” integram os cafés-restaurantes Joyeux, com um contrato sem termo. Em função das suas capacidades e sempre acompanhados pelos seus gestores sempre atentos, ocupam várias funções da restauração: acolhimento, caixa, cozinha e serviço de sala.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Polestar, marca de veículos elétricos da Volvo, vai entrar em Portugal até junho

Mas os detalhes sobre a chegada ao mercado português ainda são escassos.

Banco CTT deixa de ser zero comissões

Se forem clientes, não conseguirão mesmo escapar das comissões. A solução, para quem não quiser pagar, passa pelo fecho da conta.

Brockhampton anunciam pausa indefinida e já não tocam no Super Bock Super Rock

Era, até ver, um dos nomes principais do festival.