Byte. Novo “rival” do TikTok nasce das cinzas do Vine

Estávamos em 2013, não existia TikTok e o Instagram ainda não era assim tão popular. Reinava o Vine, uma app lançada há pouco tempo que se tornava extremamente popular por deixar os utilizadores gravarem vídeos curtos até um máximo de seis segundos.

- Publicidade -

O sucesso foi tanto que o Vine, na sua fase de maior sucesso, em 2015, chegou a ter 200 milhões de utilizadores. Afinal, não era qualquer aplicação que “obrigava” o utilizador a ser criativo nos seus vídeos curtos, tanto que existem muitos vídeos no YouTube com milhares e milhares de compilações destes curtos vídeos.

No entanto, o Vine acabou por ser vítima do seu próprio sucesso, uma vez que a sua simplicidade e a não evolução do conceito, juntamente com o surgimento/crescimento de outras aplicações, fizeram com que os utilizadores deixassem de utilizar a app.

Não foi por isso, de admirar, que os responsáveis pelo Twitter, empresa que controlava o Vine, tivessem ordenado em 2016 o encerramento da outrora app de sucesso. Mas quis o destino que a história não acabasse por aqui.

Dom Hofmann, fundador do conceito, começou a trabalhar num sucessor em 2017, embora tivesse anunciado, no ano seguinte, uma pausa no projeto. As coisas, porém, não ficaram por aqui, e agora, em pleno 2020, surge um novo Vine. Chama-se Byte, está disponível para Android e iOS e vem rivalizar com o TikTok.

Byte… E quais as novidades?

O funcionamento parece ser o mesmíssimo do Vine: vídeos de até seis segundos, esperando-se a máxima criatividade possível. Depois os utilizadores podem seguir outras pessoas e publicar comentários nos vídeos que veem.

O Byte, que é não mais do que uma espécie de rede social, traz opções comuns, como um feed, uma página onde podemos explorar perfis, bem como uma secção para verificarmos o nosso próprio perfil. Porém, falta-lhe ainda muito do chamado conteúdo bónus, ou seja, filtros e efeitos, que outras aplicações oferecem.

O objetivo de Hofmann é de, entretanto, arranjar um programa de parcerias para que os criadores de conteúdos mais populares possam ganhar dinheiro com a plataforma. Dessa forma, gente influente do online poderá chamar milhões de utilizadores para o Byte.

A questão que fica é: fará o Byte assim tanta falta ao mundo? Não nos esqueçamos que o Vine já teve a sua fama…

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Depois de oferecer casas, Lidl vai dar descontos em produtos diariamente através da app

Todos os dias até ao natal, terão um cupão presente para ativarem na app Lidl Plus.

App da Via Verde já permite o acesso a mais de dois mil pontos de carregamento elétricos em Portugal

A Via Verde Electric é a nova solução digital para aceder a qualquer ponto da rede pública de carregamentos elétricos em Portugal.

Portugueses desenvolveram tecnologia para exploração autónoma das profundezas do oceano

Algo que vai ajudar a reduzir os custos e a ter acesso a novos dados muito mais rapidamente.

Huawei quer voltar a ser líder no segmento dos smartphones em Portugal

Mas sem os Google Mobile Services vai ser complicado.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

A Microsoft adquiriu a Activision-Blizzard e o catálogo da Xbox vai ficar maior

Em breve, Call of Duty, Overwatch, Diablo e World of Warcraft serão jogos produzidos sob a alçada da Xbox Game Studios.

LEGO coloca o mundo inteiro na palma das nossas mãos

Com a recriação de um Globo Terrestre, claro.

Bring Me The Horizon adiam tour europeia e só tocam em Portugal daqui a um ano

Passa de fevereiro de 2022 para fevereiro de 2023.