Setúbal. Reabilitação do interior dos edifícios do Bairro das Manteigadas começa este mês

- Publicidade -

Uma empreitada que se insere no âmbito da aprovação da Estratégia Local de Habitação.

A reabilitação do Bairro das Manteigadas, um investimento superior 4,7 milhões de euros realizado no âmbito da Estratégia Local de Habitação de Setúbal e financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência, tem início em 27 de março.

A intervenção visa ainda a promoção da acessibilidade de pessoas com mobilidade condicionada ao interior dos edifícios e a renovação das redes de abastecimento de gás e água, drenagem de esgotos e telecomunicações, com alteração do posicionamento dos respetivos contadores para o piso térreo, em armário técnico próprio, bem como a realização de alguns melhoramentos nos vestíbulos e caixas de escadas.

A intervenção do Lote 1, com o valor de dois milhões, 677 mil e 716,03 euros, abrange os edifícios com os números de polícia 21, 23, 25, 27, 29 e 31 da Rua do Cercal e 2, 4, 6, 8 e 10 da Travessa João Augusto da Rosa. A do Lote 2, no valor de dois milhões, 56 mil, sete euros e 53 cêntimos refere-se aos edifícios números 2, 4, 6 e 8 da Rua João Augusto Rosa e 1, 3, 5 e 7 da Rua João Augusto Rosa.

O valor global da empreitada é de quatro milhões, 733 mil e 723,56 euros, aos quais acresce a taxa de IVA em vigor.

Este projeto de reabilitação, que pretende dar uma resposta objetiva ao Plano de Recuperação e Resiliência – 1.º Direito, introduz uma profunda renovação das cozinhas e instalações sanitárias das frações habitacionais, a par com uma renovação ligeira na restante área dos fogos, e vai promover a acessibilidade de pessoas com mobilidade condicionada ao interior dos edifícios, priorizando a intervenção nos pisos térreos.

Serão ainda feitas melhorias no interior das frações dos pisos superiores, ao nível da mobilidade, apesar de o respetivo acesso ter de continuar a ser feito por escada, a par com uma intervenção de reabilitação nas áreas comuns dos edifícios.

Para garantir a acessibilidade a todos os edifícios, o projeto inclui uma área exterior contígua aos mesmos, que corresponde ao “percurso acessível” e integra elementos arquitetónicos junto das fachadas principais, com rampa e escada, segundo a topografia do local e a implantação dos lotes.

Nas áreas comuns, são substituídos o pavimento nos vestíbulos dos pisos térreos e nos patamares dos pisos superiores e os rodapés em toda a área de pavimentos e escadas, pintadas as paredes e tetos e aplicado teto falso no vestíbulo do edifício, onde é necessário promover algum atravessamento de cablagem para a área técnica, contígua às escadas.

Nas frações habitacionais, todas as portas exteriores são substituídas por portas de segurança reforçadas com chapa no interior, para assegurar durabilidade, resistência e segurança das famílias residentes.

Todas as portas interiores nos fogos serão igualmente substituídas, para que, tal como no caso das exteriores, garantam a passagem livre de 80 centímetros de largura por 200 centímetros de altura.

As cozinhas, com uma nova configuração espacial, que permite incluir uma área de refeições formais e outra destinada a passar a ferro e/ou costurar roupa, vão ser dotadas com novos armários e eletrodomésticos mais eficientes do ponto de vista energético – vão ser instalados placa, forno, exaustor e caldeira, mas não frigorífico e máquinas de lavar louça e roupa.

As instalações sanitárias, que recebem novas loiças e torneiras com maior eficiência hídrica, são alteradas conforme vontade expressa pelos moradores, com a substituição da banheira por poliban na maior parte dos fogos.

Nos restantes compartimentos, espaços de circulação e despensa serão realizados alguns melhoramentos ao nível dos revestimentos – pavimentos, paredes e tetos –, com as redes de infraestruturas a passarem em teto falso nos espaços de circulação, o qual terá iluminação através de um sanca de luz, com aplicação de fita LED.

Este projeto é antecedido por um outro, designado Projeto de Reabilitação do Bairro das Manteigadas – Eficiência energética, o qual compreende uma intervenção em toda a envolvente exterior dos edifícios, com vista a melhorar a eficiência energética do bairro.

Na intervenção exterior em curso é aplicado isolamento térmico nas paredes, coberturas e caixas de estore e substituída a caixilharia com vidro simples por caixilharia com vidro duplo em PVC e/ou em alumínio com corte térmico, que garante um melhor desempenho energético, assim como os respetivos dispositivos de sombreamento (estores), entre outros trabalhos.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Publicidade

Relacionados

Mais recentes