Ensino superior. Aulas podem recomeçar a 4 de maio

As universidades e institutos politécnicos têm duas semanas para se prepararem para essa possibilidade.

Ensino
- Publicidade -

É o que diz um despacho do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES). Depois de um mês de ensino à distância, o ministério acredita que poderá haver condições para a existência de aulas presenciais.

Para isso, as universidades e institutos politécnicos têm agora duas semanas para se prepararem para essa possibilidade.

Segundo a nota do MCTES publicada no site da Direção Geral do Ensino Superior (DGES), uma das razões desta desta decisão deve-se à “necessidade de assegurar a conclusão do corrente ano letivo em prazos tão próximos quanto possíveis do que se encontrava previsto no calendário escolar, evitando impactos negativos sobre o próximo ano letivo”.

A prioridade deverá ser dada às aulas práticas e de laboratório, assim como às avaliações finais das disciplinas e à conclusão dos estágios.

Por exemplo, deverão ter destaque “as estruturas do sistema nacional de ciência e tecnologia, designadamente unidades de I&D, laboratórios, infraestruturas físicas, tecnológicas, culturais e de artes performativas, médicas, veterinárias e biológicas”.

Ou seja, até à data em questão, as instituições deverão definir que de forma vão reabrir, devendo sempre garantir “condições de distanciamento social” e assegurar “a utilização por todos de equipamentos de proteção individual, designadamente máscaras de uso geral”.

Neste caso em particular, refere o mesmo documento que deverão ser as instituições científicas e de ensino superior a disponibilizar os equipamentos de proteção individual, assim como os materiais desinfetantes e de limpeza que garantam as medidas de higiene recomendadas pelas autoridades de saúde.

No entanto, e apesar da data prevista, tudo dependerá do atual estado de emergência, que, muito provavelmente, não deverá ser estendido após o dia 2 de maio.

Se tudo correr pelo melhor, o regresso às aulas presenciais deverá ser feito de forma faseada. Porém, diz o MCTES que as instituições de ensino deverão manter o estímulo ao teletrabalho e ao ensino à distância, combinando-os de forma gradual com as atividades presenciais.

Fonte:MCTES
- Publicidade -

Sigam-nos

12,471FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

BPI e Fundação “la Caixa” doam 1.000 computadores a escolas portuguesas

As entregas estão a ser feitas esta semana. De modo a apoiar o ensino digital e à distância de jovens...

Há novos equipamentos made in Portugal que ajudam a combater a COVID-19

São dois modelos distintos e uma solução de engenharia.

Reino Unido aprova dispositivo que faz teste à COVID-19 em 15 minutos

Foi criado especificamente para a indústria do entretenimento ao vivo.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

OPPO Find X será das primeiras séries de smartphones 5G com o novo processador Snapdragon 888

Os novos dispositivos deverão chegar ao mercado no primeiro trimestre de 2021.

Samsung pode estar em vias de acabar com a linha Galaxy Note

As quebras no segmento e pandemia de COVID-19 são as razões apontadas para este possível fim.

Corsair iCue 4000X RGB – Forma, função e estilo

Seja num cenário profissional de produtividade, lazer ou entretenimento, a caixa é, por vezes, deixada para último plano quando se monta um PC. Mas não deveria de ser o caso.