- Publicidade -

Análise – Yooka-Laylee and the Impossible Lair

-

Yooka-Laylee and the Impossible Lair é a nova aposta da Playtonic Games, o recente estúdio constituido por antigos membros da Rare, que trabalharam em jogos como Banjo-Kazooie, Donkey Kong 64, entre outros jogos característicos da era 32 e 64 bits.

Depois de uma tentativa de recuperar a nostalgia dos jogos de plataformas 3D existentes na viragem do século, com Yooka-Laylee em 2017, na sua sequela, Impossible Lair, a Playtonic Games experimenta algo de novo, transformando o jogo num título de plataformas com um formato mais clássico, um híbrido 2D, com níveis na horizontal e um mundo explorável com uma perspetiva vista de cima.

Apesar de novo e de concebido com tecnologias recentes, Yooka-Laylee and the Impossible Lair faz um excelente trabalho em evocar a nostalgia dos jogos em que se inspira, com uma jogabilidade superficialmente simples e acessível, uma apresentação sólida e um desempenho fluido, que é tão relevante para este tipo de jogos onde encontrar o caminho até à meta é tão importante como ultrapassar qualquer obstáculo que vem contra nós.

Até a premissa de Yooka-Laylee and the Impossible Lair é extremamente clássica. Num mundo colorido e encantado, temos um vilão que rapta o exército de uma abelha rainha e cabe-nos a nós salvar todos os seus elementos, infiltrando-nos no covil do vilão para manter este mundo seguro.

Uma das características mais engraçadas de Yooka-Laylee and the Impossible Lair é a possibilidade de os jogadores poderem terminar a história do jogo em apenas alguns minutos, mas essa tarefa não é fácil, até porque teremos, obviamente, que nos preparar ao longo dos vários níveis do jogo.

Parte deste título é passada num mundo 3D com uma perspetiva superior, onde conhecemos um elenco de personagens carismáticas que nos ensinam truques e habilidades e que nos ajudam a progredir ao longo dos diferentes níveis.  É um mundo reminescente de clássicos RPGs, com puzzles e segredos para encontrar e que servem de compasso antes de encontrarmos os níveis seguintes.

Já o grosso do jogo é feito em plataformas 2D. Os níveis são muito variados, com muitos obstáculos, inimigos e segredos. Apesar destas jornadas horizontais, os níveis apresentam alguma verticalidade, caminhos alternativos e salas secretas, dando aso à exploração.

Tanto no combate como na exploração, vamos tendo o apoio de diferentes habilidades e buffs ao longo do jogo que nos ajudam a ultrapassar novos desafios, mas que também permitem jogar níveis anteriores de novo de forma a descobrir mais coisas ou alcançar locais, anteriormente inalcançáveis.

Os níveis são todos muito adoráveis, temáticos e vivos. Por vezes temos acesso até a versões alternativas desses níveis para explorar, que adicionam aquela sensação de novidade ao longo da nossa jornada. Mas o importante a reter é que, para além das abelhas soldado que vamos salvando, vamos adquirindo mais habilidades e destreza para o Impossible Lair, que está aberto logo de início para ser ultrapassado pelos mais corajosos.

Foi este sistema de progressão e os pequenos momentos de exploração fora dos níveis propriamente ditos, juntamente com as animações e jogabilidade de Yooka-Laylee and the Impossible Lair, que me mantiveram agarrado ao comando durante horas. Com os seus comandos simples e viciantes, controlamos Yooka de forma tradicional, pulando e rebolando pelos níveis, e com a sua língua comprida, que serve tanto de ferramenta como arma de ataque.

As oportunidades de jogo são imensas, mas tudo se torna entusiasmante quando ganhamos balanço, sendo possível passar alguns níveis de forma fluida e satisfatória, como um jogo 2D do Sonic, ou, mais recentemente, um dos novos Rayman.

Mas claro que nem sempre é possível, uma vez que os níveis vao ficando mais complexos e desafiantes. Mas não se deixem intimidar. Além de pequenos truques de jogabilidade, e tirando o facto de, tecnicamente, só termos duas vidas, a de Yooka e a de Laylee, o jogo não tem Game Over, com cada respawn a acontecer nos últimos pontos de controlo dos níveis, muito bem espaçados.

O jogo também deteta automaticamente a nossa dificuldade em passar certos pontos e faz questão de nos questionar se os queremos passar, tornando assim o jogo muito mais acessível aos jogadores mais petizes, que, de resto, são aqueles para os quais este título se direciona melhor.

Mas a verdadeira magia do jogo não é a sua facilidade ou dificuldade. É, sim, perceber como estas duas qualidades se ajustam de acordo com a destreza dos jogadores e a vontade de explorar todos os cantos dos níveis para completar o jogo a 100%.

Com visuais coloridos, uma direção de arte adorável, uma música catita a acompanhar e muita diversidade visual e mecânica, Yooka-Laylee and the Impossible Lair é um verdadeiro deleito para jogadores fãs de experiências retro e jogadores mais novos que estão a pegar num comando pela primeira vez, como muitos fizeram em gerações mais antigas.

Yooka-Laylee and the Impossible Lair já está disponível para PC, PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch

Yooka-Laylee and the Impossible Lair

Plataforma: PC, PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch
Este jogo (versão PS4) foi cedido para análise pela Team17.

Yooka-Laylee and the Impossible Lair é um jogo de plataformas 2D, desenvolvido pelos criadores de Donkey Kong 64 e Banjo-Kazooie. Tal como essas antigas pérolas, este é um divertido jogo desenhado para todas as idades: fácil de jogar, difícil de dominar, mas 100% adorável.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,029FãsGostar
4,038SeguidoresSeguir
499SeguidoresSeguir

Mais Recentes

The High Republic marca a nova era de Star Wars

The High Republic será, para já, contada em forma de livros, bandas desenhadas e livros infantis, num total de 5 publicações.

Cyberpunk 2077 para a Xbox One terá conversão gratuita para a Xbox Series X

Cyberpunk 2077 chega ao PC e consolas a 17 de setembro. A Xbox Series X não tem data de lançamento.

Reply 1988, uma série sobre todos nós

Reply 1988 é uma produção sul-coreana que se passa no ano de 1988. Acaba por não ser bem uma série, mas sim uma recordação de quem fomos.

Heathen regressam a Portugal oito anos após o último concerto

Formados em 1984, falta pouco para completarem 40 anos de carreira, pelo que já são considerados um grupo histórico. Falamos dos Heathen, banda de thrash metal que vai regressar a Portugal oito anos após a sua última aparição em solo luso.
- Publicidade -