Análise – Watch Dogs: Legion (Xbox Series S)

Uma aposta ambiciosa e cheia de estilo, mas com pouca substância.

Watch Dogs: Legion análise
- Publicidade -

De tempos a tempos surge um jogo que me faz questionar quem sou e qual é o meu objetivo. Não o digo a nível pessoal, mas sim no contexto da oferta do próprio jogo, algo que aconteceu demasiado rápido em Watch Dogs: Legion, a nova aposta da Ubisoft, na série antissistema que, desta vez, nos deixa pertencer a uma rebelião que luta pela liberdade da cidade de Londres.

Politicamente relevante e quase premonitória do que poderá ser um futuro próximo, se o mundo continuar na direção em que se encontra, Watch Dogs: Legion apresenta uma visão arrojada de um futuro onde as ferramentas e os sistemas tecnológicos que tanto nos fazem falta no nosso dia a dia,+ podem ser usados contra nós, de uma forma mais clara e explícita do que já acontece atualmente.

O terceiro jogo da série chega com grandes ambições, maioritariamente técnicas, no ponto de vista de produção de um jogo. Em Watch Dogs: Legion podemos interagir com todos os habitantes londrinos com quem nos cruzamos, que contam com linhas de diálogo próprias, caras, vozes e histórias criadas por inteligência artificial. Além disso, temos também um jogo de transição de gerações nas consolas que tira partido das novas capacidades das Xbox Series X e Series S e da PlayStation 5, apresentando um mundo mais rico, detalhado e vivo.

Em Watch Dogs: Legion, estas ambições e inovações estão bem presentes, tornando esta versão cyperpunk de Londres, meticulosamente recriada com os seus pontos de interesse mais icónicos e outras supressas para quem conhece a cidade, num assustador, mas muito interessante, destino para explorar durante horas e horas a fio. Contudo, a minha viagem por Watch Dogs: Legion ao longo dessas horas não me impressionou, nem me agarrou tanto como estava à espera, porque, como indiquei no início, não encontrei o meu rumo ou o rumo das suas personagens.

Com a possibilidade de podermos ser qualquer um dos habitantes desta cidade virtual, que variam entre as figuras mais estereotipadas da sociedade atual, a caricaturas de perfis bem problemáticos, o jogo não nos dá a liberdade de criarmos um avatar nosso, nem nos dá acesso a um protagonista protagonista. O protagonista em Watch Dogs: Legion é mais do que uma pessoa, é uma entidade, a organização DedSec, composta pelas personagens que vamos recrutando, de alguma forma aleatória, ao longo das nossas missões, e que são as nossas pessoas que vamos ter que vestir a pele e controlar.

Watch Dogs: Legion análise

O conceito é interessante, sem dúvida, mas acaba por ser bem mais limitador do que parece, pois os seus perfis, estatísticas e habilidades são sempre aleatórias e nem sempre se ajustam às nossas formas de jogar. Isto significa que é o jogador que tem que se moldar às suas habilidades e propostas do jogo, antes de embarcar confortavelmente em missões de ação furtiva e hacking recorrentes.

Podermos ser todos, mas nenhum em particular, faz de Watch Dogs: Legion um jogo com falta de identidade e de uma ressonância emocional, algo que torna pouco motivante o avançar da sua história maioritariamente contada através de conversas áudio, logs e, eventualmente, uma ou outra cinemática ou videochamada. É assim difícil ficar investido ou envolvido na missão da DedSec, que até apresenta motivações bastante fortes para a sua atuação.

Como qualquer jogo de mundo aberto do género, a história pode passar para segundo plano, pelo que a exploração e diversão pela caixa de areia que nos é oferecida pode ser um profundo poço onde podemos gastar horas. A versão digital de Londres em Watch Dogs: Legion é, sem dúvida, bela. Apesar dos exageros do “tsunami” tecnológico que mergulhou a cidade de neons, hologramas, drones e pontos de controlo com scans e turrets, é uma cidade muito autêntica, com uma atmosfera fantástica, cheia de atividades para explorar e muitos segredos para apanhar.

Apesar de ser um jogo da Ubisoft, normalmente criticado e até gozado pelo excesso de pontos de interesse, fui surpreendido pela sua quantidade limitada aqui apresentada e por não me fazer sentir tentado em limpar o mapa com tanta frequência. É refrescante poder explorar o jogo ao nosso ritmo apenas com o objetivo seguinte em mente e, lá pelo meio, ter um ou outro ponto de interesse que nos propõe algo diferente.

A jogabilidade de Watch Dogs: Legion não é muito diferente dos jogos passados, com um foco no hacking de equipamento, armadilhas e veículos que podem ser usados para nossa vantagem. O mundo torna-se num puzzle em tempo real, onde as decisões têm que ser tomadas numa fração de segundo para o sucesso da nossa missão, com eventos inesperados e, por vezes, cómicos, a fazerem parte desta experiência.

As mecânicas de tiro e cobertura mantêm-se mais ou menos as mesmas, dependendo de personagem para personagem, com algumas das suas habilidades secundárias, que abrem as portas a novas maneiras de abordar um conflito, a diferenciarem-se de perfil para perfil. No início podemos estar limitados, mas, com um simples sistema de progressão com troca de créditos, podemos tornar as nossas personagens mais aptas a qualquer situação, independentemente de quem sejam.

Watch Dogs: Legion análise

É nessa altura que o jogo se torna mais divertido e motivante de embarcar nas missões propostas, já que o leque de opções para nos infiltrarmos numa determinada zona para hackear um computador ou roubar informações importantes é mais vasto, criativo e emocionante.

No entanto, a repetição torna-se rapidamente uma constante nas suas missões, assim como as áreas que vamos explorando, onde se sente um excesso de minijogos de lógica, com recurso a drones e aranhas mecânicas que, infelizmente, ajudam a quebrar o ritmo e o fator de diversão.

Watch Dogs: Legion parece ter sido lançado também com uma missão: apresentar um jogo capaz de mostrar o poder da nova geração de consolas e placas gráficas. O Ray-Tracing é o grande destaque, capaz de apresentar uma cidade muito mais realista, onde os vidros não são totalmente transparentes e apresentam alguma refletividade, onde as poças de água revelam os neons e as luzes dinâmicas dos carros e veículos que por elas passam e que, por vezes, ajudam a dar uma pequena vantagem ao jogador durante os confrontos ao ver inimigos atrás de si, graças às superfícies refletivas na sua frente.

Aliado à capacidade de produzir efeitos de luz e sombra mais naturais, Watch Dogs: Legion, em situações ideais, é belíssimo. Infelizmente, nem sempre é assim, especialmente se estivermos a falar na versão para Xbox Series S, onde tive a oportunidade de experimentar o jogo com estas tecnologias, que se estreiam na plataforma, precisamente, com Watch Dogs: Legion.

Com uma resolução dinâmica, no melhor cenário, o jogo tem uma qualidade de imagem brutal e os visuais são tão apelativos como imersivos. Por outro lado, em situações mais caóticas e com efeitos atmosféricos mais acentuados, como a chuva, existe um efeito negativo na qualidade de imagem, com muito desfoque e ruído. Não tem uma apresentação constante e, infelizmente, acontece com tanta frequência e severidade que acaba por nos tirar da experiência. As coisas são melhores na geração atual, nomeadamente na Xbox One X, onde a não existência de Ray-Tracing torna a experiência mais constante, mas com o pequeno sacrifício das inovações.

Watch Dogs: Legion acaba por ser um jogo estranho e mais contido do que aparenta. As suas ambições estão concretizadas, mas parecem impactar demasiado a experiência e potencial do jogo, com detalhes que passarão por baixo do radar de muitos jogadores. É interessante do ponto de vista de design, mas acaba por ser um produto onde o estilo se sobrepõe à substância, com falta de identidade, rumo ou urgência.

Nota: Satisfatorio

Disponível para: PC, Xbox One, Xbox Series X|S, PlayStation 4 e PlayStation 5
Jogado na Xbox Series S
Cópia para análise cedida pela Xbox Portugal.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

God of War – Kratos mostra as suas forças no mundo dos PC

A estreia de God of War no PC é indiscutivelmente fantástica, mas só é 100% ideal se tiverem uma máquina capaz.

Halo Infinite – A necessária, mas segura, evolução da saga da Xbox

O maior Halo de sempre é também o mais seguro, com maior foco nas suas personagens e não tanto em aventuras épicas e grandiosas como os seus antecessores.

Forza Horizon 5 – Mais uma road-trip absolutamente apaixonante

Com um novo destino exótico, uma nova playlist pulsante e novas estradas e caminhos para descobrir, Forza Horizon 5 é a fantasia definitiva para os amantes de automóveis.

Age of Empires IV – Como as aulas de história podiam ser dadas

A aclamada série de estratégia da Microsoft está de regresso com um jogo completamente novo que funciona como uma janela para o passado dos videojogos e para o passado dos grandes conflitos da humanidade durante a idade média.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Sines recebe investimento de 80 milhões para produção de salmão e bacalhau

A construção do projeto deve arrancar no último trimestre de 2022.

Governo diz que voos da SATA para os Açores não estão em risco de ser suprimidos

Desmentindo, assim, uma notícia avançada pelo Expresso.

Grupo B&B Hotels abre hotel em Guimarães ainda este ano

Um hotel de três estrelas com capacidade para 95 quartos. Hoje, dia 28 de janeiro, a parceria Casais - Sunny...