Análise – TV Loewe Bild 3.40

A marca alemã Loewe caminha para o seu centésimo aniversário da sua existência, mas, apesar da idade, provavelmente não é muito conhecida pela maioria dos portugueses.

Com soluções dedicadas ao som e imagem, a Loewe aponta alto e aposta num mercado de nicho onde o design e a qualidade são os pontos mais fortes da marca. Um desses exemplos é a Loewe Bild 3.40.

Da série Bild 3, esta televisão insere-se na baixa gama de ofertas da Loewe, ainda do catálogo de 2016.

Criada a pensar em pequenas salas de estar ou para quartos, a Bild 3.40 é uma televisão 4K com tecnologia E-LED de 40 polegadas com um aspeto visual bastante moderno e sofisticado.

Com um formato quase monolítico, apresenta-se com uma moldura relativamente fina para o seu tamanho, e, na base, encontra-se uma barra de som com dois auscultadores de 40 W, que encaixa na perfeição à largura do painel.

Não é das televisões mais finas, mas, considerando que estamos num painel LED de pequenas dimensões, não é um factor que interfira muito com o aspeto geral da televisão, cujo painel é plano e aparenta ter uma ligeira inclinação, quase impercetível, para conforto na sua visualização.

O modelo que recebemos vinha com uma base bastante estável com uma particularidade que já começa a ser rara neste tipo de painéis, ou seja, permite que a televisão seja redireccionada para o ângulo desejado. É algo que também se revela útil quando queremos aceder às suas portas traseiras.

Não há dúvida que a Loewe Bild 3.40 é uma televisão bonita e capaz de despertar a curiosidade dos convidados. Mas é também na qualidade de imagem que esta televisão prima.

A Bild 3.40, apesar de ser de baixa-gama, dá uso das suas tecnologias de imagem de modo eficaz e exímio. As suas configurações pré-definidas não abusam nos efeitos de pós-processamento que estamos habituados em televisões de outras marcas. A Loewe tenta oferecer a melhor qualidade de imagem com pequenas alterações muito subtis e equilibradas, que resultam em imagens naturais e com a definição correta dependendo da sua fonte.

Claro, fica nas mãos do utilizador ligar e desligar os diferentes parâmetros para ajustar às suas preferências, mas não deixa de ser simpático estarmos perante uma TV que não nos tenta enganar.

Ao ser uma televisão 4K (3840 x 2160) com um painel de E-LED, esta é capaz de enganar os menos atentos. É notória a iluminação do painel, em que nas zonas escuras dá para perceber que o ecrã está ligado. A diferença aqui é que não se vê as fontes de luz que estão dispostas à volta do painel, mantendo, assim, os tons de negro os mais opacos possíveis.

Apesar de ser bastante competente na oferta visual, a Bild 3.40 apresenta dois problemas que limitam a sua utilização. O primeiro é o efeito fantasma (ghosting) de que esta televisão sofre, especialmente em cenas com grandes movimentos, e que infelizmente parece amplificado com o modo de fluidez ligado. O outro é o tempo de resposta acima do aceitável. Na visualização de conteúdos não é muito relevante, mas se procuram uma televisão para videojogos, esta Loewe não é recomendada.

Ficamos aqui com um painel única e exclusivamente para a visualização de conteúdos. Todavia, até aqui apresenta-se limitada.

Como em qualquer televisão recente, temos a possibilidade de usar um disco ou uma pen para visualizar ficheiros, mas a sua capacidade de descodificação de ficheiros não é vasta e não faz leitura de ficheiros de legendas.

O seu sistema operativo, o Loewe OS, é uma solução que resulta e encaixa perfeitamente na filosofia do equipamento e na facilidade de utilização e navegação. Os menus estão bem produzidos, os canais apresentam-se com logótipos grande e coloridos e todo o sistema é relativamente fluido. Mas quanto mais se navega nele e começamos a procurar determinadas opções, mais complicado se torna de executar.

Existe também suporte para algumas aplicações como Youtube, Netflix e até o Tidal – o serviço de streaming áudio de alta definição. Mas até neste departamento a execução não é a melhor. Na realidade, estas aplicações são ligações para o browser do sistema que nos obriga a usar os botões de direção do comando para controlar o rato. Frustrante e pouco intuitivo.

Felizmente o departamento sonoro é exemplar. Apesar dos seus modestos 40W por auscultador, a barra de som embutida debita um som encorpado e bastante definido, algo que seria de esperar, já que a Bild 3.40 propõe a utilização do Tidal. A verdade é que esta TV facilmente substitui uma barra de som ou um sistema homecinema mais acessível.

A Loewe Bild 3.40 apresenta-se como uma solução para quem só consome filmes em Blu-Ray/DVD e vê, ocasionalmente, televisão. Um excelente periférico complementar será mesmo o uso de um Google Chromecast, ou um leitor mediacenter, por exemplo, para ter acesso a aplicações que tirem partido das capacidades desta televisão, nomeadamente o 4K. Mas apesar das suas lacunas, é uma televisão cheia de estilo.

A Loewe Bild 3.40 encontra-se a venda em algumas superfícies comerciais com um preço recomendado de 1199€.

nota final 6

O equipamento foi cedido para análise pela Loewe.

Segue-nos nas redes sociais no FacebookTwitter e Instagram.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,473FansCurti
4,051SeguidoresSeguir
536SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – TT Isle of Man II: Ride on the Edge (Nintendo Switch)

Se procuram um jogo de corridas excitante, realista e que leve ao limite as vossas habilidades na Switch, TT Isle of Man II: Ride on the Edge é a resposta.

Análise – Ion Fury

Um verdadeiro regresso ao passado que é imperdível para todos os fãs dos FPS à antiga.

Análise – Streets of Rage 4

Um regresso ao passado que irá deliciar os fãs do género e da série clássica da SEGA.

Análise – Energy Sistem Frame Speaker

O Energy Sistem Frame Speaker é não só um equipamento de áudio. É também um quadro que decora a nossa casa.
- Publicidade -

Mais Recentes

Digimon Adventure Reboot volta a ser exibido no Japão

Quer isto dizer que, mais perto do final do mês, já teremos um novo episódio.

Lovecraft Country estreia em agosto na HBO Portugal

Lovecraft Country acontece durante o Jim Crow South, na década de 50, após o protagonista, Atticus Black, partir numa viagem à procura do seu pai desaparecido.

Salas de cinema do UCI Arrábida 20 voltam a funcionar a 8 de junho

Já os cinemas da zona de Lisboa continuam sem data prevista para a reabertura.