Análise – SNK 40th Anniversary Collection

Com o lançamento de coleções que reuniram séries como Mega Man X e Street Fighter, tal como a excelente Capcom Fighters Collection, composta por alguns dos melhores beat ‘em ups das máquinas de arcadas, chegou a vez da SNK se banhar no saudosismo e dar-nos uma coletânea ideal para os seus fãs. São 40 anos de história de uma das gigantes dos salões de arcadas, mas será esta uma coleção à altura?

- Publicidade -

Ao contrário das suas rivais diretas, a SNK apostou mais na nostalgia e na sua própria história do que em dar aos jogadores os maiores clássicos do seu catálogo. Com o enorme foco na década de 80 e composta por clássicos das arcadas, SNK 40th Anniversary Collection é uma anomalia, ainda que perfeita para a portabilidade da Nintendo Switch. Isto significa que não irão encontrar nomes como King of Fighters, Metal Slug ou Shock Troopers na sua seleção, algo que irá certamente desiludir alguns jogadores.

A coleção é mais simbólica do que qualitativa, na nossa sincera opinião. Ao contrário do seu catálogo na década de 90, onde a SNK dominou por completo as arcadas tanto a nível gráfico como na jogabilidade, aqui encontramos a produtora japonesa longe da qualidade da qual viria a ser sinónima. É difícil criticar jogos clássicos pela injustiça passagem do tempo, mas a verdade é que a seleção não nos cativou.

Queremos sublinhar que não são, de todo, jogos maus. Se são fãs de títulos arcada, então esta coleção tem muito para vos oferecer, dando-vos uma longevidade interessante através da dificuldade acérrima de cada jogo. No entanto, como se trata da SNK, queríamos muito mais. Talvez esta seja a primeira parte, já que se relega à primeira década da produtora e aos seus títulos arcada, e em breve tenhamos uma nova e mais forte coleção, mas esperávamos mais.

Apesar do seu catálogo pouco forte, temos a possibilidade de jogar as versões arcada e de consola de alguns dos seus títulos, algo que se torna aliciante. Desta forma, temos acesso, em primeira mão, à forma como a maioria destes jogos foram adaptados para as plataformas domésticas. Títulos como Ikari Warriors e Athena são alguns exemplos, com as versões NES a estarem presentes neste pacote, ainda que a versão original seja sempre preferível. A coleção conta ainda com alguns exclusivos da NES, como Crystalis e Iron Tank, algo que nos surpreendeu.

A apresentação de SNK 40th Anniversary Collection é cuidada e apresenta menus intuitivos, muito limpos e fáceis de navegar. É fácil sair de um jogo, gravar e recomeçar outra partida, existindo ainda um botão de rewind para as sequências mais desafiantes. Cada jogo é acompanhado pela sua arte original, contando ainda com uma área de museu dedicada a todos os títulos lançados pela SNK entre 1979 e 1990. Esta secção é impecável e uma verdadeira delícia para os fãs, contando não só com imagens como com informações interessantes sobre cada jogo. É uma viagem sincera pelo passado de uma produtora que viria a conquistar um lugar na indústria.

Ikari Warriors 3 - The Rescue

Apesar da sua seleção pouco calorosa, SNK 40th Anniversary Collection continua a ser essencial para os fãs do género e da produtora japonesa. Com a possibilidade de jogarem com amigos e em qualquer parte graças à portabilidade da Nintendo Switch, é aliciante redescobrir estes clássicos das arcadas. A coleção irá receber, no dia 11 de dezembro, mais 11 jogos completamente gratuitos, algo que complementará a lista de títulos deste pacote.

A ideia de lançarem jogos gratuitos demonstra que a SNK e a NIS estão atentos aos gostos dos seus fãs, mas com uma seleção que consideramos pobre no lançamento, resta-nos perguntar: porque não lançar tudo de uma só vez? Esperemos que este seja o melhor plano.

SNK 40th Anniversary Collection
Nota: 6/10

Este jogo foi cedido para análise pela NIS America

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Análise – Cris Tales (PlayStation 5)

Uma aventura pelo tempo que vale a pena o vosso…tempo.

Análise – Just Die Already (PC)

A resposta para a pergunta que ninguém fez: “como seria Goat Simulator se fôssemos um idoso em vez de uma cabra?”

Análise – Ayo the Clown (Nintendo Switch)

Um alegre palhaço parte em busca do seu cão numa aventura aborrecida e pensada para os mais jovens.

Análise – Samurai Warriors 5 (PlayStation 4)

1 contra 1000: quem irá ganhar? É melhor apostarem no primeiro.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Waze recebe a voz de Master Chief para nos ajudar nas nossas viagens

Um estranho crossover que promete ser uma delicia para os fãs de Halo.

App NOS TV foi renovada e oferece 10GB de dados móveis por tempo limitado

Daquelas promoções de verão que devem mesmo aproveitar.

Oeiras Parque vai ter uma instalação artística feita a partir do plástico recolhido de uma praia da zona

Através desta instalação artística, o Oeiras Parque pretende associar-se à mensagem da chamada de atenção dos riscos e comportamento humano na preservação do meio ambiente e dos oceanos.