Análise – Razer Seiren Mini

Pequeno, acessível e simples de usar, o microfone Razer Seiren Mini é uma ótima solução a ter à mão.

Razer Seiren Mini
- Publicidade -

Pequeno, simples, redondo, adorável e elegante. Estes são apenas alguns dos adjetivos para descrever o aspeto do novo Razer Seiren Mini, o mais pequeno microfone para criadores de conteúdo da Razer que, apesar de cortar no tamanho, mantém o seu desempenho e função.

Desenhado a pensar não só para quem produz conteúdo diariamente, mas também nos produtores em movimento, o Razer Seiren Mini é, só pelo seu tamanho, uma interessante proposta portátil.

Com a forma de um ovo, tem apenas o tamanho de dois ovos. Na parte superior temos o microfone supercardioide com o seu padrão que o envolve e, na na parte inferior, surge uma base limpa, com um indicador LED, – que nos diz se está ou não ligado -, uma ligação traseira micro-USB e uma rosca para o colocar na base incluída ou até um braço tradicional para microfones.

É mesmo pequeno, tão pequeno que quase cabe num bolso. A qualidade de construção é sólida e robusta, com o seu belo padrão sem defeitos na parte superior e a utilização de plásticos de alta qualidade na parte inferior. O único defeito, ou crítica que tenho a fazer, é a localização da porta USB, que obriga à utilização exclusiva do cabo que vem incluído devido ao seu estranho encaixe, desenhado só para tornar o aspeto arredondado do microfone mais consistente e agradável ao visual, ao mesmo tempo que, de alguma forma, também garante que não se separa facilmente. Contudo, não poder usar outros cabos USB que se tenha em casa torna-o menos versátil do que o prometido.

Junto com o Razer Seiren Mini, temos ainda um pequeno adaptador que serve de perna para este microfone e que lhe fornece alguma articulação extra no seu posicionamento, algo que é necessário para o ligar também à base. A base redonda é sólida e pesada o suficiente para o manter estável e, na sua base, vamos também encontrar uma camada em esponja aderente. Algo que notei nesta pequena camada foi uma ligeira inclinação, como se não estivesse encaixada na totalidade na base. É minúscula e, na prática, não tem qualquer efeito, mas depois de reparar a olho nu, foi difícil de não desviar o olhar.

Quando montado, o Razer Seiren Mini é adorável numa secretária, especialmente em tons de branco, como o Mercury White que a Razer nos emprestou, ocupando virtualmente pouco ou nenhum espaço e com um aspeto que se deixa fundir com qualquer setup. Pequeno e disruptivo.

O Razer Seiren Mini vem despido de botões e funções extra como outros modelos da marca e da concorrência, mas é uma decisão que apela à simplicidade e ao preço reduzido pedido por este modelo.

A simplicidade também faz parte na forma como o Razer Seiren Mini é usado. Basta apenas ligá-lo ao PC que fica instantaneamente pronto a usar com qualquer aplicação, sem necessidade de instalar software extra para começar a gravar, conversar ou streamar.

Por fim, temos a qualidade de som, que é simplesmente ótima. É capaz de captar voz de forma clara e limpa, com foco nos sons que são debitados diretamente, o que significa que, se existirem sons em redor, esses são mais dificilmente capturados. A reprodução de sons de voz é, assim, limpa, clara, com corpo e bem normalizada, não sendo necessário passar muito tempo em pós-produção para a produção de conteúdos mais casuais.

Disponível nas três cores da Razer – Black, Quartz e Mercury -, o Razer Seiren Mini aparece por 59,99€, um valor quase simbólico para um microfone de qualidade semiprofissional que aposta na simplicidade máxima. É uma solução de entrada fantástica para quem quer começar a criar conteúdo no conforto da sua casa.

Nota: Muito Bom - Recomendado

Este dispositivo foi cedido para análise pela Razer.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Análise – Samurai Warriors 5 (PlayStation 4)

1 contra 1000: quem irá ganhar? É melhor apostarem no primeiro.

Análise – Olympic Games Tokyo 2020 – The Official Video Game (Xbox One)

Olympic Games Tokyo 2020 – The Official Video Game é claramente uma abordagem simples, familiar e intuitiva aos Jogos Olímpicos, sendo um complemento perfeito nesta época em que acompanhamos os nossos atletas e desportos favoritos.

Análise – Within the Blade (PlayStation 4)

Vivam a experiência de serem ninjas num jogo competente, mas com alguns problemas de jogabilidade.

Análise – F1 2021 (PlayStation 5)

F1 2021, tal como MotoGP 21, marca o início de um futuro espetacular para os jogos de desporto motorizado. A partir de agora é sempre a subir!
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Fantasia, plataformas e sci-fi nos Xbox Games With Gold de agosto

Também disponíveis para os subscritores do Xbox Game Pass Ultimate.

Análise – Ayo the Clown (Nintendo Switch)

Um alegre palhaço parte em busca do seu cão numa aventura aborrecida e pensada para os mais jovens.