Análise – Razer Kiyo

por David Fialho

Direcionado para os jogadores que gostam de partilhar as suas aventuras virtuais e de manter um contacto ainda mais próximo com os seus seguidores, a Razer tem uma webcam dedicada para eles.

Chama-se Razer Kiyo e é uma pequena e versátil câmara. Com um design redondo, apresenta à volta da lente um anel de led com intensidade de luz ajustável e um suporte articulado que permite ser fixado facilmente no topo de qualquer ecrã ou colocado numa mesa apontado para nós.

A intensidade de luz é a suficiente para iluminar as nossas caras até cerca de 50cm. Mostra-se bastante útil para quem gosta de jogar às escuras e é um ótimo complemento, uma vez que os ecrãs não têm uma intensidade de brilho tão grande.

Contudo, o uso deste anel na intensidade máxima não é recomendado, nem durante o dia. Não por ferir a vista, mas porque se pode tornar incómoda tanta luz, em particular se for usada diretamente de frente no topo dos monitores.

A qualidade de imagem é, na maioria das situações, ótima. Assemelha-se um pouco ao que encontramos nas câmaras de smartphones de média-gama, que se limita facilmente dependendo da iluminação da divisão onde se encontra.

Com muita luz natural ou artificial, as suas definições por defeito apresentam bons resultados. Em vídeo, é normal verificar uma estranha distorção ondulada de imagem e não há muita margem de manobra nas suas definições. Isto acontece em particular no ajuste do High Dynamic Range, que parece ser automático, e basta uma fonte de luz mais intensa em frente à câmara para estragar a imagem.

A Kiyo conta ainda com um bom sistema de autofoco, que ajuda a manter o sujeito definido se houver muito movimento.

Há ainda o suporte da aplicação Razer Synapse onde podemos fazer algumas afinações de imagem como brilho, contraste, cores, zoom, etc, mas nada de muito diferente do que encontramos em aplicações terceiras ou nas definições do próprio Windows.

Kiyo dá, obviamente, para ser usada em videochamadas via Skype ou outras aplicações, mas a sua principal função é filmar a cara de jogadores. Na caixa e no marketing, a Razer foca-se mais na capacidade de captura de imagem a 720p e 60fps, mas, na verdade, é capaz de capturar vídeo até 1080p a 60fps, sem perda de qualidade significativa. Uma vez que a utilização de um equipamento destes é para caixas de imagem reduzidas, é o suficiente.

A Kiyo é super versátil. Fácil de usar, instalar e até arrumar. Graças ao seu design dobrável, é possível colocá-la em diferentes posições em qualquer lugar. Fixa-se facilmente no topo de qualquer ecrã fino, pode ser colocada em cima da secretária, ou até num tripé, graças à sua rosca universal. As formas de usar são imensas, desde que o seu cabo USB seja longo o suficiente.

Ligar a Kiyo é uma experiência plug-and-play. Basta ligar o cabo, esperar que o Windows reconheça e ficamos preparados para usar em qualquer software que suporte uma câmara. Simples.

A Kiyo é uma solução modesta e com características igualmente modestas. Para o utilizador simples que procura algo para desenrascar nas suas sessões de streaming, ou para complementar o seu computador de secretária para outras utilizações, é o suficiente. Se procuram algo com funções mais compreensivas, se calhar não é a melhor opção.

No entanto, prima sem dúvida pelo seu anel de LED para gravações em ambientes mais escuros e pelo seu design quase transformativo que permite ser usada em muitas situações.

A Razer Kiyo pode ser adquirida na loja da Razer por 109,99€.

Também pode interessar

Deixar uma resposta

O Echo Boomer utiliza cookies para dar a melhor experiência possível aos nossos leitores. Aceitar Ler mais

%d bloggers like this: