Análise – Razer Basilisk V2

Novo look, mais ergonómico e funcional.

Razer Basilisk V2
- Publicidade -

Este ano, a Razer atualizou a sua linha de ratos para gamers, introduzindo não só atualizações a modelos já existentes, como também novas variantes. Entre eles, encontramos a linha Basilisk, com três novos modelos que variam em preço, funções e versatilidade.

Por aqui já tive a oportunidade de experimentar a solução mais completa, o Razer Basilisk Ultimate, e um dos meus ratos pessoais não é nada mais, nada menos, do que o Razer Basilisk da geração anterior. Agora, eis que tive a oportunidade de experimentar a sua sequela, o Razer Basilisk V2.

O salto do modelo anterior para o mais recente foi, numa primeira impressão, pequeno e muito natural. Com um design mais moderno e arrojado, o Basilisk 2 é muito familiar. Conta com os mesmos botões nas mesmas posições, conta com a patilha destacável e personalizável, a roda de scroll tem funções extra e continua a oferecer a minha função favorita, a personalização da resistência da roda de scroll na parte inferior do rato.

Contudo, este não é o mesmo rato que uso com maior regularidade. Há muitas novidades bem-vindas que, e apesar de não merecer o investimento na sua atualização, especialmente considerando a existência do modelo Ultimate, este é, sem dúvida, um melhor modelo de entrada que o novo Basilisk mais básico, o Basilisk X HyperSpeed.

Razer Basilisk V2

O Razer Basilisk V2 destaca-se numa primeira impressão pelo seu aspeto moderno e agradável, bem mais esguio que o seu antecessor, e com uma nova barbatana esquerda que serve de apoio para o nosso polegar, muito mais saliente que no modelo anterior. O material é melhorado com um novo padrão nas borrachas laterais e mantém a fantástica ergonomia que enche a mão confortavelmente.

Este é, basicamente, o mesmo modelo que o novo Basilisk Ultimate, sendo a única diferença a não existência de um modo sem fios e um número mais limitado de regiões com LEDs que garantem o suporte de iluminação Razer Chroma.

Tal como o modelo superior, temos os botões clicáveis agora com switches óticos que garantem ações mais responsivas, bem como um sensor ótico de alta resolução melhorado que permite uma precisão superior no manuseamento do rato.

Talvez os grandes destaques deste modelo, que é impossível de não comparar com a versão Ultimate, é a versatilidade a nível de personalização, com todos os seus 11 botões mapeáveis para diferentes ações, e o suporte do Razer Hypershift na patilha destacável, permitindo registar diferentes ações dependendo do tipo de toque, e que pode ser multiplicado durante a utilização ao mudar de perfil.

Sem grandes surpresas, mas com muita satisfação, o Razer Basilisk V2 é um rato fantástico de se usar, seja em que circunstância for. O seu tamanho médio encaixa perfeitamente na mão, não é pesado, nem leve o suficiente para perder solidez, os seus botões de acesso continuam extremamente bem colocados e está ainda mais completo do que o modelo anterior. Não tem a versatilidade da versão Ultimate com o seu sistema sem fios, mas, por menos de 100€, o Razer Basilisk V2 é uma excelente solução por quem procura um rato para jogos e muito mais.

Nota: Muito Bom - Recomendado

Este dispositivo foi cedido para análise pela Razer.

- Publicidade -

Sigam-nos

12,987FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
784SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – Balan Wonderworld (PlayStation 5)

Balan Wonderworld promete uma viagem ao país das maravilhas, mas tudo o que oferece são pesadelos.

Análise – Signs of the Sojourner (PlayStation 4)

Aprendam a arte do diálogo neste jogo de cartas e aventura.

Razer fica mais verde com a aposta num futuro sustentável

A Razer tem novas metas para se tornar numa marca mais consciente e amiga do ambiente.

Análise – Bravely Default II (Nintendo Switch)

Um regresso seguro à fórmula clássica do género naquele que será um dos exclusivos mais esquecíveis da Nintendo Switch.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Creative Stage V2

Uma barra de som com um subwoffer dedicado que, em conjunto, podem fazer maravilhas para quem tem televisores mais antigos.

McDonald’s e Burger King estão quase a abrir restaurantes na Nazaré

Após não se ter concretizado a abertura no ano passado, 2021 é o ano em que as cadeias de fast food vão chegar à Nazaré.

Tomatino. Setúbal vai receber novo restaurante dedicado às pastas italianas

Vai situar-se no local que, até então, era do Café 3.