fbpx

Análise – Mega Man 11

Já se passaram oito anos desde a última vez que tivemos uma entrada principal na série Mega Man. Em oito anos muita coisa pode mudar, mas há jogos que, por muito que se tentem adaptar ao meio, devem manter-se fiéis à sua essência.

Mega Man 11 é um desses jogos que se mantém fiel, ao mesmo tempo que se apresenta fresco e com novidades num pacote que tem tudo para corresponder às expectativas de quem tem acompanhado a série.

Mega Man é difícil. Muito difícil. Especialmente para novos jogadores. Mas a sua natureza é o reflexo de uma era em que os jogos compensavam as limitações da complexidade das suas mecânicas pelo desafio extra, não só através de controlos onde todos os movimentos deviam ser precisos, como o timing e destreza eram igualmente importantes.

A melhor maneira de definir a dificuldade de Mega Man e de Mega Man 11, em particular, é como “desafiante”. Mas nesta nova versão, a Capcom abraça novos jogadores ao introduzir a dificuldade de Newcomer que, no fundo, serve apenas de moleta para reduzir frustrações ao dar-nos vidas infinitas e baixar a frequência com que alguns inimigos reaparecem no ecrã.

A jogabilidade de Mega Man 11 mantém-se extremamente familiar a quem jogou títulos anteriores, com controlos muito básicos, mas que requerem uma curva de habituação. É fácil sentir que estamos a jogar algo de outra era. E ainda bem.

Mas não é por isso que não temos novidades. Mega Man 11 introduz o sistema Double Gear, que serve também de “McGuffin” para o lançamento da narrativa do jogo com Dr Wily a roubar esta nova tecnologia a Dr Light juntamente com os seus novos bots.

O Double Gear é um par de poderes que pode ser acionado durante o combate ou para ultrapassar obstáculos. Um aumenta-nos o poder das nossas habilidades, outro aciona um modo slow motion para nos desviarmos de projéteis ou para passar rapidamente certos perigos. Há ainda a possibilidade de usar os dois em conjunto para nossa vantagem.

Esta novidade muda o modo como jogamos e como abordamos os nossos inimigos e obstáculos, onde é essencial perceber onde e como os usar para minimizar o dano sofrido ou para derrotar os bosses.

Além disso, também se revela útil para passar algumas partes dos níveis que são dinâmicos e variados.

Temos ao todo nove níveis, correspondentes a cada Mega Man que temos que derrotar. Seguem a lógica dos videojogos onde cada um é temático ao boss final, com diferentes tipos de inimigos e ambientes que requerem habituação do jogador. Há um nível com explosões constantes, outro repleto de itens que dão choque, outro com gelo no chão que escorrega ou até um em que as paredes e o solo estão cobertos de balões que nos fazem saltar. De nível para nível, há uma enorme sensação de descoberta e novidade, fazendo com que o jogo nunca se sinta aborrecido.

Mudar de arma e habilidades é agora mais fácil e não requer a ida a menus. Através de um simples botão temos uma roda de habilidades que permite a troca em tempo real, tornando os combates mais orgânicos e ritmados.

Mega Man 11 tem ainda um conjunto de desafios que podem ser feitos durante ou depois do jogo, desafios de tempo, de dano ou outros que contam o número de vezes que saltamos. No fundo, muitas razões para voltar a jogar de maneiras diferentes e desafiantes.

Visualmente, Mega Man 11 também não se acanha. São muitos os jogos que exageram nas alterações da sua apresentação visual jogo após jogo ou até com reboots e remakes. Mega Man 11 consegue manter-se fiel à arte da série ao mesmo tempo que parece um jogo recentíssimo, com uma mistura de personagens e ambientes em 2.5D.

As cores são vivas, a qualidade de imagem bastante limpa e o efeito de profundidade dos níveis é impecável. Mas melhor que tudo é a qualidade das animações, quer do nosso herói, quer dos inimigos.

Cada personagem tem uma panóplia de animações diferentes e orgânicas que, ao observarmos com atenção, são quase hipnóticas pela sua fluidez e “vida” que transmitem. Esta fluidez é ainda aplicada a projéteis, explosões e outros elementos animados tornando o jogo uma delícia de se ver e jogar.

Seja para jogadores novos ou para veteranos, Mega Man 11 é um excelente jogo que se sente completo e extremamente bem aprimorado. De facto, se há coisa que podia ser pedida seria um modo de dificuldade ainda mais acessível, mas talvez essa ideia seja um pouco contra-natura daquilo que define a série.

Mega Man 11 está disponível para PlayStation 4, PC, Xbox One e Nintendo Switch.

Mega Man 11
Nota: 8/10

Este jogo foi cedido para análise pela Ecoplay.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Análise – Minoria

Curto, difícil e muitas vezes implacável – assim é este metroidvania que acaba de chegar às consolas.

Crítica – Mulan (2020)

Mulan é um filme que muito difere da versão animada e original de 1998. E é provável que muitos fãs não fiquem agradados com esta película live-action.

Análise – Shing!

Parem as hordas de demónios neste jogo de ação mediano.
- Publicidade -

Mais Recentes

Celebra o aniversário do Batman com o LEGO do seu Batwing

O novo set de coleção é inspirado no icónico veiculo do filme de 1989.

Câmara Municipal de Lisboa vai continuar a apostar em água reutilizada para lavar as ruas e regar espaços verdes

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou a proposta para a construção da Rede de Água Reutilizada de Lisboa na Zona Ribeirinha e Bairro Alto.