Análise – Little Nightmares: Complete Edition

Se o seu primeiro ano for uma indicação do que o futuro lhe reserva, a Nintendo Switch será a consola com mais edições completas de jogos de todo o mercado. Desde 2017, e em especial durante o início deste ano, que a consola da Nintendo tem vindo a encurtar a distância que a separa das suas rivais diretas no que toca ao lançamento de novos jogos. Apesar de ainda estar longe de receber alguns dos títulos mais graficamente exigentes, a verdade é que a Switch é um enorme e bem-sucedido pedido de desculpas que tanto os fãs como os estúdios precisavam de ouvir.

little nightmares switch 02 echoboomer
- Publicidade -

Little Nightmares: Complete Edition é o mais recente relançamento a chegar à Nintendo Switch. Distribuído pela Bandai Namco e produzido pela Tarsier Studios, o jogo de terror e aventura apresenta-se na sua versão definitiva, contando com a campanha principal e DLC de história que oferece novas zonas e um novo protagonista. Para os amantes do género, Little Nightmares poderá ser a melhor aposta que têm de momento na Switch.

Seguindo um molde muito próximo de jogos como Limbo e Inside, ambos produzidos pela Playdead, Little Nightmares leva-nos numa viagem por um mundo assustador e surreal, onde teremos de navegar por vários níveis repletos de perigos, plataformas, puzzles e inimigos que não podem ser derrotados. Com a exploração a fazer-se através de cenários pouco iluminados e deturpados, como se fossem de uma realidade não muito diferente da nossa – só que mais grotesca e animalesca –, existe uma tensão palpável durante toda a curta viagem. Existe um enorme equilíbrio entre o desconhecido e o incompreensível que dá a Little Nightmares um tom de horror vitoriano que devia ser mais predominante em jogos deste género.

Os modelos e design das personagens estão em grande destaque e sublinham a forte componente visual de Little Nightmares. Os monstros que vão encontrando apresentam formas desproporcionais, alguns com longos braços que parecem ser capazes de vos agarrar a qualquer momento, e outros com deformações corporais, onde a gordura, por exemplo, é utilizada para evidenciar o surrealismo do mundo em si. Little Nightmares caminha sobre uma linha ténue entre o irreal, o exagero, a deformidade e a simplicidade, realismo e sensação de paz que os cenários transmitem. O design de Six, a personagem principal, com a sua simples e banal capa amarela, contrasta com as monstruosidades que a rodeiam.

little nightmares switch 01 echoboomer

Apesar de ser visualmente marcante e de nos fascinar com o seu jogo entre sombras e luz, nomeadamente na sua importância para alguns dos momentos mais assustadores do jogo, Little Nightmares é pouco surpreendente no que toca às suas mecânicas e progressão. Podem saltar, agarrar objectos, correr, andar mais devagar e subir por plataformas – é este o limite das habilidades. O jogo tem também o mau hábito de repetir os objetivos entre níveis, forçando os jogadores a encontrar constantemente um item escondido enquanto fogem de um dos inimigos indestrutíveis. Esta progressão acaba por tornar momentos que deviam ser tensos em aborrecidos déjà-vu.

Little Nightmares sofre também de um terrível equilíbrio entre tentativa e erro, apostando em situações onde o objetivo não se torna evidente até serem apanhados ou caírem de uma das plataformas. Há uma falta de dicas visuais ou de mecânicas intuitivas em certos momentos da história – sendo um deles uma fuga dentro de condutas de ar – que vos obrigam a parar apenas porque não tiveram qualquer explicação sobre o objetivo do puzzle ou da sequência de ação. Quando a resolução é pouco ou nada intuitiva, vão sentir rapidamente que foram retirados do jogo e começarão a questionar algumas das decisões de design que vão encontrando ao longo da campanha.

little nightmares switch 03 echoboomer

O jogo sofre também de alguns problemas na sua perspetiva e na profundidade dos seus cenários. Como se tratam de ambientes em 3D, os saltos acabam por ficar condicionados devido ao posicionamento da câmara, não existindo uma grande noção de distância e espaço entre plataformas. Os movimentos de Six são também muito lentos, o que dificulta ainda mais os saltos quando estes já são limitados por perigos ambientais. Se aliarmos esta falta de noção espacial com a tentativa e erro que promulga na maioria das sequências de perseguição – e com alguns problemas de performance, especialmente na versão portátil –, percebem como Little Nightmares pode ser um verdadeiro caos.

Apesar das nossas críticas, sentimos que Little Nightmares é um jogo que merece a vossa atenção, ainda mais se forem donos de uma Switch. Como se trata de um título com um ambiente tão forte e bem concebido, é difícil de não olhar para as suas falhas e sentir o quanto denigrem uma experiência que é, na sua base, bastante coesa no que toca à progressão da campanha e à sua narrativa minimalista. A verdade é que é um bom jogo de terror e plataformas, uma experiência incomum que é capaz de vos agarrar do princípio ao fim. Tem os seus problemas, mas vemos as suas potencialidades sempre que jogamos.

Little Nightmares: Complete Edition
Nota: 7/10

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Rune Factory 4 Special – A lavrar o campo com uma espada enferrujada

Com quase 10 anos, o título da Marvelous não consegue fascinar por mais que tente.

Clockwork Aquario – Uma nova oportunidade para este clássico perdido

Anteriormente cancelado, o título da Westone regressa à vida graças à conversão da Inin Games.

MXGP 21 – O salto para a nova geração continua por ser dado

MXGP 20 não tinha surpreendido, despenalizado apenas pelo facto de a Playstation 5 ter sido lançada umas semanas antes. Este ano não há desculpas, mas MXGP continua aquém das expectativas.

Treasures of the Aegean – Presos em mais um loop temporal

Com foco na História e no saltos arriscados, o novo título da Undercoders constrói-se de forma curiosa ao apostar num loop temporal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Pingo Doce chega pela primeira vez aos Açores

O sortido do espaço conta com muitos produtos regionais, fruto das parcerias feitas com 129 fornecedores dos Açores.

Continente abre primeira loja em Gouveia

Continua a expansão da marca da Sonae.

Lagoa dos Salgados será classificada como área protegida de âmbito nacional

Há 21 anos que, em Portugal, não era classificada nenhuma área protegida de interesse nacional.