fbpx

Análise – LG Gram 14

As principais características de um ultrabook tendem a responder à procura por um dispositivo leve, versátil e com uma boa autonomia, e a LG tem trabalhado nesse sentido com a sua linha de computadores Gram, no qual se inclui o seu modelo de 2018, o LG Gram 14 (14Z980).

O seu nome é bastante explícito no que toca a uma destas características principais: este LG Gram é extremamente leve, não chegando a mil gramas.

Desenhado para parecer uma pena

As suas dimensões de 14 polegadas e a sua finura que, basicamente, só nos dá altura para as fichas, só aumentam a sua sensação de leveza no transporte e utilização.

A nível de design, o LG Gram 14 é extremamente simplista, mas sem parecer visualmente aborrecido. O seu perfil esguio e pontiagudo e a dobradiça arredondada são pequenos toques que lhe dão identidade, assim como a fina moldura negra à volta do ecrã, a contrastar com o branco suave deste modelo de teste.

O seu peso também é possível graças ao seus materiais de construção, leves e maleáveis, mas, ao mesmo tempo, com uma sensação de durabilidade bastante boa. Esta sensação faz-se notar particularmente quando abrimos o ecrã apenas com um dedo, sem esforço absolutamente nenhum.

Muitas ligações

O LG Gram 14 vem com um número considerável de portas e interfaces, dando-lhe uma excelente flexibilidade de utilização. De um lado temos uma porta USB 3.0, saída de áudio 3.5mm e uma ranhura para cartões Micro-SD. Do outro, encontramos novamente outra USB 3.0, uma porta HDMI tradicional, ficha de alimentação e uma USB Type-C que também permite carregamento.

Há vários apontamentos a fazer no que toca a estas ligações. É ótimo termos mais do que uma porta USB tradicional, especialmente para quem precisa de fazer algum trabalho de secretária e quer recorrer a teclados e ratos externos por estas portas ou precisa de ligar algum equipamento ou periférico secundário.

A existência de uma porta HDMI normal é, também, bem-vinda, livrando-nos de acessórios extra quando queremos ligar o PC a uma televisão ou projetor.

E claro, a USB-C é, também ela, bem-vinda, uma vez que é uma interface cada vez mais usada pelos tipos de funcionalidades que permite, como suporte de saída vídeo 4K, carregamento de equipamentos externos e rapidez na transferência de ficheiros.

Estranhamente, a LG não nos oferece um carregador para o LG Gram 14 que dê para ligar a esta porta, limitando-nos, por defeito, à sua ficha dedicada, que, curiosamente, se revela um dos aspetos menos positivos deste equipamento, uma vez que é uma ficha algo solta, com a sensação que um toque indelicado pode danificar o pino do cabo de carregamento.

Teclado silencioso e luminoso

Este modelo de teste trazia um teclado em inglês, algo que para uma utilização regular nos habituou a usar um teclado externo, mas, na eventualidade de adquirirem um modelo português, nada temam, pois o teclado é bastante bom. As teclas são espaçadas o suficiente, tendo em conta as dimensões do dispositivo, e parecem estar sempre ao alcance dos nossos dedos. Requer, contudo, alguma habituação se vierem de portáteis maiores. É, também, um teclado relativamente silencioso e suave, o que pode não ser da preferência de todos os utilizadores.

O único aspeto que se pode dizer que é negativo referente ao teclado deste modelo em particular é o seu sistema de iluminação, que, num teclado já por si todo branco, torna-se quase impossível em ambiente iluminado distinguir as teclas. É claro que se pode desativar este modo, mas teria sido uma escolha interessante mudar a cor da iluminação ou das teclas. Nos modelos mais cinzentos da linha LG Gram, não parece ser um problema.

O trackpad é bastante grande e confortável de usar. A sua textura é suave e parece usar o mesmo material do restante corpo do equipamento. É super responsivo e agradável.

O incrível ecrã

O ecrã do LG Gram 14 é uma maravilha. A resolução é de “apenas” 1920×1080, uma resolução que em utrabooks e dispositivos híbridos parece já estar a ficar data, mas que aqui se demonstra que, na realidade, não é necessário mais, especialmente por estarmos a lidar com um equipamento de apenas 14 polegadas.

Ver conteúdos multimédia ou simples fotografias neste ecrã LCD IPS é um regalo, com uma excelente profundidade de cores e contraste, As imagens parece que fazem “pop” do ecrã. É difícil, por vezes, explicar por palavras a experiência de visualização, mas assistir a vídeos com a resolução certa neste ecrã é fantástico. Não há arrastos, a imagem é fluida e a definição excelente.

No entanto, para este tipo de utilização recomenda-se o uso de um par de auscultadores. O LG Gram 14 inclui duas colunas estéreo de 1.5W que fazem o serviço, mas não milagres. O som é algo estridente e pouco claro. Felizmente, o LG Gram tem uma boa solução para os utilizadores de auscultadores, fornecendo suporte DTS Headphone:X.

Se são daqueles que querem deixar o PC a dar música enquanto estão nas vossas lides diárias, o uso de uma coluna Bluetooth é, igualmente, recomendável.

Desempenho sólido

O desempenho do LG Gram 14 é ótimo, especialmente em utilização mais casual. Este modelo inclui um processador i5 da Intel de 8ª geração (i5-8250 de 1.6GHz), um GPU Intel 620, 8GB DDR4 de memória RAM e um disco SSD 256GB.

Comporta-se excecionalmente bem com o consumo de multimédia, seja para ver filmes, a navegar pela Internet e, até, na utilização de aplicações de produção. O Photoshop e o Premiere são dois exemplos fantásticos para pequenos projetos.

Para jogos, este não é um equipamento indicado, especialmente se falarmos em jogos que requeiram muitos recursos gráficos. Um simples CS, Overwatch ou o popular Fortnite podem correr, mas com as características no mínimo dos mínimos.

No entanto, tal como muitos equipamentos desta gama, pode ser um bom lugar para jogar via streaming através da Xbox One, com a aplicação nativa do Windows 10 ou PlayStation 4 com a aplicação de reprodução remota. É só ligar os devidos comandos.

O LG Gram 14 também prima pelo seu silêncio. Conta com uma finas grelhas escondidas atras da dobradiça do ecrã para um único dissipador. Contudo, embora silencioso, com uma utilização mais forçada, faz com que o PC aqueça um pouco.

Super-Bateria

Mas onde o LG Gram 14 brilha e deixa qualquer um impressionado é com a sua bateria. A LG promete que este modelo é capaz de durar para lá de 21-22 horas, um número impressionante até na teoria e algo difícil de contabilizar com certeza. Mas a realidade é esta: em utilizações regulares, foi possível retirar o LG Gram 14 da ficha e trabalhar com ele durante uma tarde inteira até este começar a dar as últimas. É impressionante. E se apostarmos na poupança de energia com um perfil mais cuidado então podemos sair de casa com ele debaixo do braço, como se de um smartphone se tratasse.

Considerações finais

Este LG Gram 14 (14Z980) no nosso mercado atira-se para lá dos 1200€. É um valor consideravelmente alto quando o comparamos com alguns ultrabooks, como os ZenBook da Asus, os Surface da Microsoft e alguns modelos do Yoga da Lenovo, que, entre eles, oferecem características e funções tendencialmente mais apetecíveis.

Ainda assim, não tirem os olhos do Gram. Se querem um portátil versátil, com características modernas e com bateria que dá praticamente para um dia inteiro, dificilmente vão encontrar o que é aqui oferecido noutro equipamento do género.

Características LG Gram 14 (14Z980)

Corpo: Fibra de carbono e chassis em metal leve; 32,2 x 21,0 x 1,5 cm; 994g; disponível em Branco ou Cinzento.

Ecrã: LCD IPS de 14″, resolução FullHD 1920x1080px.

Audio: Colunas estéreo 1.5Wx2, saída audio 3.5mm.

Sistema Operativo: Windows 10 Home (64bits).

Processadores: CPU Intel Core i5-8250U de 1.60GHz; GPU Intel UHD Graphics 620.
Memória: RAM de 8GB DDR4 2400MHz.

Armazenamento: Disco SSD 256GB.

Bateria: 4 células de polímero de lítio; 72Wh.
Conectividade:  Wi-Fi 802.11 A/C (2×2); LAN 10/100 Megabit Ethernet; Bluetooth 4.1.

Portas: 2 x USB 3.0; HDMI; USB-Type C; ranhura micro-SD; RJ45 com adaptador USB (incluído).

[penci_review]


 

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,779FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Análise – Minoria

Curto, difícil e muitas vezes implacável – assim é este metroidvania que acaba de chegar às consolas.

Crítica – Mulan (2020)

Mulan é um filme que muito difere da versão animada e original de 1998. E é provável que muitos fãs não fiquem agradados com esta película live-action.

Análise – Shing!

Parem as hordas de demónios neste jogo de ação mediano.

Análise – Project CARS 3

O terceiro jogo da série Project CARS dirige-se em contra mão daquilo que a tornava tão especial.
- Publicidade -

Mais Recentes