Análise – Just Dance 2021 (PS4)

Com as novas consolas aí à porta, Just Dance 2021 chega just in time, para meter a malta a suar sem sair de casa.

Just Dance 2021
- Publicidade -

À semelhança de outros jogos musicais, como Guitar Hero/Band Hero ou Singstar, Just Dance chegou ao auge de popularidade durante o arranque da Playstation 3 nos mercados mundiais, mas é dos poucos que prevalece no mercado e parece estar de boa saúde (e quem o joga também).

Desde 2009 que a Ubisoft tem lançado um jogo por ano e, em 2020, tal não é exceção, num título com 40 faixas disponíveis. No entanto, há muito mais por onde escolher, caso subscrevam o Just Dance Unlimited, serviço de assinatura do jogo cujo contém mais de 600 músicas por onde escolher.

Juntamente com este Just Dance 2021, vem um mês grátis para testar esse mesmo serviço. Se tiverem a intenção de continuar, podem assinar por 24 horas (2,99€), um mês (3,99€), três meses (9,99€) ou um ano (24,99€). Posto isto, a melhor opção é a de um ano em detrimento das outras, visto que caso queiram jogar com regularidade sem restrição, é a que compensa mais, de longe.

O propósito do jogo é muito simples: meter quem está a jogar a mexer-se e a tentar dançar em troca de pontos. Para isso, basta seguir os movimentos que vão aparecendo em pictogramas no rodapé do lado direito, enquanto que, no centro do ecrã, aparecem avatares a dançá-los, de forma a associar as imagens aos movimentos em si. Não é particularmente fácil acertar à primeira, ou à segunda, mas com o treino tudo acaba por ir ao sítio. No que toca à eficácia de movimentos, depende do que usarem para os seguir. Neste jogo há três opções: via câmara, via controlos Playstation Move ou via smartphone (com a app Just Dance Controller).

Usando o smartphone (que é o meu caso por não ter nenhuma das outras opções), apesar de tentar fazer a dança o mais fiel possível ao pedido, os pontos atribuídos prendem-se apenas com os movimentos da mão direita, acabando por haver um bocado de desleixo. A nível ergonómico, não é a melhor experiência, ainda pior se tiverem um smartphone grande tipo o meu (iPhone XS Max). Para além disso, correm o risco de largar o smartphone num movimento a alta velocidade, que é idêntico a atirar o smartphone voluntariamente contra uma parede ou para o chão – o resultado não vai ser bom. Para além disso, a bateria descarrega num instante.

As outras duas opções para seguir os movimentos feitos nas danças, apesar de não ter testado, parecem-me muito melhores. Podem, por exemplo, utilizar dois Playstation Move em simultâneo, exigindo, assim, o movimento correto das duas mãos. E são mais ergonómicos.

Já usando a câmara, é possível pontuar usando o corpo todo. Porém, e segundo o que li, a câmara VR da PS4 não tem uma captação de profundidade boa, logo duvido que a experiência seja fantástica em condições de fraca luminosidade. Posso confirmar que o velhinho Kinnect, da Xbox, faz melhor trabalho nessa área, visto que possuo o acessório e já o usei para muitas horas de jogo. O grande ponto positivo de jogar com câmara é não ter de segurar em nenhum acessório, que é o mais ergonómico que pode haver.

Em relação aos menus do jogo, não surpreenderam. Primeiramente porque, para entrar no mesmo, é preciso ter um dos acessórios conectados à PS4 e, no caso de ser o vosso smartphone, ficam restringidos de usar. Isto porque, ao fim de um tempo fora da app, desconecta e têm de voltar a conectar para continuar a jogar. Voltando aos menus, não são muito intuitivos e a organização das músicas não é a melhor.

A pontuação é atribuída de acordo com a precisão posicional e de trajetória de movimentos, bem como o seu timing. A pontuação varia entre 0 e 13333 (número que não faz sentido nenhum) e a soma que é feita ao longo da música depende no número de movimentos Perfect, Super, Good e Ok. Às vezes o ecrã fica dourado, durante o qual é possível fazer um movimento que vale o “Yeah” e dá uma quantidade maior de pontos.

Cada música de Just Dance 2021 apresenta anexado o nível de dificuldade (Easy, Normal, Hard, Extreme), havendo algumas com coreografias ajustadas a dois níveis de dificuldade distintos, oferecendo, assim, mais do que uma opção para quem for mesmo fã da música em causa. Algumas músicas têm modo Sweat, que estima a quantidade de calorias perdidas enquanto se dança determinada música. No entanto, não há nenhuma forma precisa de fazer essa medição, logo deve ser estimado com base no ritmo e dificuldade.

No que toca a modos de jogo, dá para jogar sozinho; em Battle, onde há competição para fazer mais pontos que o adversário; e em cooperativo, onde a pontuação final é a dos dois jogadores combinada. Em relação ao número de jogadores, pode ir até seis, fazendo deste o jogo perfeito para festa com família ou amigos. O facto de ter secção para crianças ainda torna o jogo mais inclusivo, mas cuidado, pois tem a “Baby Shark” nas opções.

Tem ainda a secção de playlists, onde podem criar a vossa, definindo um grupo de músicas que querem dançar e, dessa forma, vêm todas seguidas. Se tiverem uma temática em mente, podem optar por escolher uma playlist pré-definida. Outra característica que tem é músicas com letras, onde é possível dançar e cantar em simultâneo. As letras aparecem em rodapé no canto inferior oposto a onde aparecem os passos de dança, no entanto, o tamanho da letra podia ser maior.

No geral, é um jogo divertido e, sendo fã de Singstar (infelizmente já foi descontinuado), não tenho dúvidas nenhumas que anima qualquer festa, apesar de, nesta altura, não dar bem para comprovar isso. Just Dance 2021 perde um bocado pela confusão que é a interface dos menus e o facto de só dar para navegar no jogo com o smartphone conectado (no caso não ter acessórios). Podia também ter mais músicas icónicas, apesar de ganhar por ter uma boa diversidade cultural.

Creio que, por ser muito específico, não é um jogo para toda a gente, apesar de qualquer pessoa poder jogar, mesmo que seja um pé de chumbo autêntico. Não cheguei a comprar câmara para a PS4, por saber que a qualidade da mesma é duvidosa, mas vou investigar sobre a nova câmara para a PS5, que espero que seja tão boa (pelo menos) como o Kinnect.

Caso tenham interesse em aulas de aeróbica e zumba sem gastar dinheiro ou perder tempo em ginásios enquanto se divertem, este jogo é perfeito para vocês, mas aconselho a comprarem acessórios próprios ou câmara, porque com smartphone a experiência não é tão boa.

Nota: Não houve feridos a testar este jogo, exceto um smartphone a cair ao chão e a partir a película de vidro. Cuidado caso joguem numa divisão sem carpete, pois com a transpiração, o chão tende a ficar escorregadio. Ui, e se vão transpirar…

Nota: Muito Bom

Plataformas: Xbox One, Xbox Series X|S, PlayStation 4, PlayStation 5 e Nintendo Switch
Este jogo (versão PlayStation 4) foi cedido para análise pela Ubisoft.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,401FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – Chronos: Before the Ashes

Da realidade virtual para as consolas – assim é a prequela de Remnant: From the Ashes.

Análise – XIII Remake

Um regresso ao passado que desvirtua a memória do jogo original para um lucro rápido da produtora.

Análise – Gears Tactics

A série Gears troca o caos imersivo da guerra na terceira pessoa por batalhas táticas e cerebrais numa nova perspetiva. Mas mantém todos os outros ingredientes que a definem intactos.

Análise – TCL 10 Plus

O TCL 10 Plus acaba, assim, por ser um smartphone mais indicado para um público mais adulto, que não puxe ao máximo por ele.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Horizon Zero Dawn junta-se ao PS Now

Há meia dúzia de novos jogos no serviço de streaming da PlayStation.

Control chega ao Xbox Game Pass juntamente com mais de uma dezena de jogos

Dezembro leva até à subscrição mais de uma de jogos para PC, consolas e smartphones.