Análise – Huion HS611

Uma fantástica e acessível ferramenta para criativos e curiosos.

Huion HS611
- Publicidade -

Sempre gostei de brincar em ferramentas criativas, seja no vídeo, na imagem, na fotografia ou desenho e, para esses fins, o teclado e o rato têm sido até agora os meus melhores amigos. Contudo, o desejo de experimentar novas formas de interagir com o software sempre existiu, o que me levou a substituir um dos meus laptops por um Microsoft Surface Pro 7, onde posso agora explorar novas formas de interação com as diferentes ferramentas. Mas no meu PC de secretária continuava limitado ao teclado e rato.

São muitas as soluções de tablets que adicionam funções “touch” a computadores que não as têm. Entre caras e mais baratas, muitas variam também pela sua qualidade, pelo que arriscar numa solução barata só para experimentar sempre me deixou de pé atrás.

Felizmente, a Huion foi simpática o suficiente e enviou-me uma das suas soluções para experimentar. Não podia estar mais enganado quanto ao potencial destes dispositivos mais acessíveis. O modelo em questão é o Huion HS611, um conjunto de placa e pen que, para além de acessível (86,99€), é também muito completo e versátil.

O seu aspeto pode enganar, com um design muito simples e quase “brincalhão” e não tão moderno e elegante como modelos mais profissionais. Com um aspeto arredondado e construído com materais de construção bem macios, o Huion HS611 é um dispositivo bastante sólido e robusto, onde apenas a sua pen sem bateria que o acompanha revela aquela sensação de plástico. Com 10 botões e um slider personalizáveis, vários botões de multimédia e ligação USB com compatibilidade com smartphones Android (graças aos adaptadores incluídos no pacote), os limites de utilização do Huion HS611 são imensos.

Esta não é apenas uma ferramenta para profissionais, mas também para quem procura entrar neste mundo. É, até, uma solução indicada para estudantes em áreas multimédia, uma vez que que podem levar o Huion HS611 ao lado dos seus livros e ligá-lo literalmente a qualquer equipamento com uma porta USB, sem necessidade de drivers ou softwares adicionais para ficar a funcionar.

Huion HS611

Porém, nem tudo é tão perfeito como parece. No caso dos smartphones, é necessário ter em atenção a posição do ecrã, vertical ou horizontal, pois a área de trabalho do tablet não é reproduzida 1:1 com a largura do ecrã da maioria dos dispositivos. Por exemplo, se tentarmos desenhar um círculo perfeito, acaba por resultar em ovais alongadas.

Já no PC, tudo funciona como deve de ser, com a superfície do tablet a simular toda a superfície do ecrã onde, com a nossa caneta, podemos clicar onde queremos e, basicamente, substituir o rato. Há uma curva de aprendizagem até ganharmos o jeito, uma vez que, ao contrário de um ecrã tátil, estamos a “carregar” e navegar um dispositivo à parte.

Com o software da Huion, podemos também personalizar a área de trabalho, encolhendo-a, o que poderá ser útil para muitos utilizadores até se habituarem ao potencial completo do Huion HS611.

Em termos de desempenho, para quem nunca usou um tablet do género, não podia estar mais satisfeito. Além das teclas de atalho personalizáveis estarem numa excelente posição e de terem pequenos indicadores táteis que permitem a sua fácil identificação, a área de trabalho é muito suave ao toque e bastante precisa, resultando em desenhos, linhas e cliques tal e qual como queremos. A pen, apesar do material de construção mais plastificado, é ergonómica e conta também com dois botões que simulam os do rato. Utiliza-se bastante bem, com uma ponta suave que simula na perfeição uma caneta comum.

A sensação de pressão e o resultado em softwares como Photoshop ou OneNote, ou outras aplicações gratuitas disponíveis no Windows 10, é bastante realista e satisfatória, o que faz com que a sua utilização se torne muito natural e orgânica. Com a utilização ao longo do tempo, a ponta da pen pode ter que ser substituída, mas, felizmente, o Huion HS611 conta ainda com uma base para a pen, que esconde ainda um conjunto de pontas substituíveis.

O tempo que passei em pequenas edições não só de imagem, mas também em edição de vídeo, em técnicas de masking e até menos na interação com software, foi exímio, sendo agora mais fácil recorrer ao Huion HS611 do que ao teclado e rato em muitas situações.

Huion HS611

Por um valor bastante acessível, é possível ter um equipamento deste género bastante completo e satisfatório. Pode não ter a precisão, funções e características de equipamentos profissionais, mas para um uso casual é simplesmente fantástico.

O Huion HS611 pode ser encontrado à venda na loja da marca, em três cores, por 86,99€. Os leitores do Echo Boomer têm ainda direito a um desconto de 5% na aquisição deste equipamento. Basta colocarem o código ECHOBOOMER5% antes de finalizarem a encomenda.

Nota: Muito Bom

Este equipamento foi cedido para análise pela Huion.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,056FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
790SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – The Longing (Nintendo Switch)

Uma experiência única sobre a passagem do tempo e o nosso lugar enquanto jogadores.

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.

Análise – R-Type Final 2 (PlayStation 4)

Um regresso há muito esperado de uma das séries mais icónicas do género shoot’em up.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Setúbal. Bairro Cool aposta na tradição, essência e história do famoso Bairro Troino

Até outubro, vão decorrer várias iniciativas no Bairro Troino, desde as Happy Friday's, a eventos de requalificação da zona histórica, Santos Populares, Mercados, entre outros.

Parques aquáticos e de diversão podem voltar a funcionar nos concelhos mais avançados no desconfinamento

A evolução da pandemia de covid-19 permite continuar com as medidas aprovadas, embora com alguns acertos.