fbpx

Análise – Huawei Y6P

Um smartphone acessível e fácil, mas com demasiadas limitações para se recomendar.

Huawei Y6P

Começo este texto por dizer que, nos últimos três meses, tive na minha mão três telemóveis de marcas diferentes e com sistemas operativos diferentes. Com o “meu velho” iPhone 6 na mão e ao qual já estou mais do que habituado, um Oppo Find X2 Lite e, agora, o Huawei Y6P.

Os três smartphones são muito distintos. Enquanto saiba que o meu smartphone base possa estar algo desatualizado, o Oppo Find X2 Lite é um dos topos de gama da marca chinesa. Assim sendo, foi um pouco complicado partir para uma análise de um modelo de gama mais baixa sem fazer comparações.

Porém, tentei fazê-lo ao máximo sem qualquer preconceito. O Huawei Y6P tinha potencial para ser um excelente smartphone para quem não está habituado a estas andanças, mas não o é. Vamos por partes.

Falta de Aplicações na Huawei App Gallery

Os problemas no setor tecnológico entre a China e os Estados Unidos da América são conhecidos de quase todos e isto tem sido um desafio para a Huawei. Este modelo não conta com a Google Play Store, uma das maiores lojas de aplicações do mundo a par da App Store, e usar um smartphone sem acesso a essa plataforma é como viver num mundo onde a gigante norte-americana não existe.

Huawei Y6P

Até aqui, nunca me tinha apercebido do quão dependente estamos dos serviços da Google. Quer seja do próprio Gmail, do Mapas, da Drive ou de qualquer, serviços estes que costumam vir pré-instalados em qualquer smartphone Android. Mas não é o que acontece por causa da “guerra tecnológica” entre as duas potências. Até do YouTube, que muitas vezes me esqueço que é da Google, senti falta.

Alternativa da Huawei? A AppGallery. Já disponível há bastante tempo em vários smartphones, só recentemente é que se tornou a loja primária dos modelos da marca chinesa, muito por causa da situação com os Estados Unidos da América.

A loja tem vindo a crescer e já conta com várias apps portuguesas, como o MB Way, Sapo ou RTP Notícias. Mas, não chega. Faltam as “gigantes”. Não há forma normal de instalar, por exemplo, o Facebook, Twitter ou Instagram, com a loja a remeter-nos para a página browser do serviço. Na prática, é possível usar todas as apps através do browser, mas nunca é a mesma coisa, parecendo sempre algo arcaico.

Como alternativa, podes instalar a Aptoide, que pode servir como loja de aplicações principais e, dessa forma, instalas tudo o que te falta. Ainda assim, é um ponto negativo. Porquê? Sendo um modelo de gama baixa, seria, por exemplo, apropriado para pessoas mais velhas ou aquelas que não gostam de telemóveis com muitas funcionalidades. No entanto, para quem é leigo nestas andanças, não ter as principais aplicações disponíveis na loja oficial é um desafio que não devia existir. E não estou a atirar culpas, atenção. Mas quer-se um telemóvel simples e, este modelo, com todos estes passos extra, não o é.

Ainda assim, apesar destes desafios, pode ser um bom telemóvel para quem quer um equipamento extra para o trabalho e não pretende gastar muito dinheiro. Pessoalmente não o utilizaria como smartphone principal, mas também porque gosto de outros atrativos que este telemóvel não tem.

Desempenho

Esta secção é, para mim, uma das mais importantes para a escolha de um novo telemóvel. O Huawei Y6P vem com um processador MediaTek Helio P22 e nunca tinha experimentado este tipo de processador. Não consigo ter uma opinião clara sobre ele. Porquê? Muitas vezes, notei que o telemóvel era demasiado lento a navegar entre as aplicações, mas, dentro das aplicações, até é fluído e consegues navegar bem. Acho que para a faixa de preços não está mau, mas poderia ser melhor. Honestamente, creio que vale mais a pena dar um pouco mais de dinheiro e comprar um telemóvel com melhor desempenho. Este modelo vem também com 4GB de RAM e com 64GB de armazenamento inteerno e tudo corresponde dentro do que é pedido neste departamento da capacidade.

Design

Este modelo da marca chinesa está disponível em três cores distintas e calhou-me a versão verde. Confesso que teria preferido a versão em preto clássico, mas há gostos para todos e é bom haver mais do que duas cores.

Huawei Y6P

Ao contrário de muitos dos modelos recentes, o telemóvel não é demasiado grande e tem 159,07 mm de altura, o que é basicamente o tamanho de uma mão “normal”. Em termos de peso, o telemóvel acaba por ficar um pouco pesado para a sua aparência, muito devido à bateria, mas não em demasia. É agradável de andar com ele na mão e muito fácil de manusear, sendo este um dos poucos pontos positivos.

Em termos de entradas, temos uma entrada USB Type-C e uma jack 3.5 mm que são ótimas para carregar o telemóvel e ouvir música ao mesmo tempo. Do lado direito estão os botões normais para desbloquear o Huawei Y6p e aumentar ou diminuir o som. Já do outro lado está uma entrada que permite aumentares o armazenamento deste dispositivo. Mais um ponto positivo.

O Touch ID está na parte traseira do telemóvel e funciona bem na maioria das vezes. Ainda assim, aconteceu-me muitas vezes desbloquear sem querer o telemóvel por andar com ele na mão e involuntariamente colocar a mão no sensor na parte traseira.

O Face ID, por sua vez, não é o melhor e precisa de algumas melhorias. No escuro, por exemplo, não reconhece facilmente a nossa cara, nem se estivermos a utilizar óculos de sol. Ainda assim, tenho quase a certeza que estas questões vão ser melhor trabalhadas em outros modelos da marca chinesa.

Câmaras Fotográficas

Também na parte traseira estão as câmaras fotográficas. Ao todo temos três, um pouco como a maioria dos modelos mais recentes.

O Huawei Y6P vem, então, com a câmara principal de 13MP, uma segunda câmara grande angular de 5MP e ainda uma câmara de 2MP para captar cenários com grande angular. Na frente, está uma câmara de 8MP. Para este modelo acho que não se poderia pedir outra coisa, porque na verdade estamos a falar de um telemóvel relativamente barato para o mercado atual. Ainda assim, as câmaras traseiras não satisfazem.

Fico mais satisfeito com um modelo mais antigo de iPhone ou qualquer outro telemóvel recente com Android. Isto diz muito da qualidade das câmaras. Fiz várias tentativas com bom iluminação e não fiquei contente com o resultado, com as fotos a ficarem com pouca qualidade.

Ainda assim, nem tudo é mau. A câmara frontal permite selfies minimamente satisfatórias e as outras câmaras contam com algoritimos avançados para embelezar a imagem, tal como é costume nos smartphones da marca chinesa.

A bateria e o Rádio FM são os pontos positivos

Mas nem tudo é mau, atenção. Sei apontar os principais problemas deste modelo, sim, mas também as suas principais virtudes. A bateria é uma delas. O Huwaei Y6P vem equipado com uma bateria massiva de 5.000 mAH que, segundo a marca, dá para 20 horas de navegação na Internet, 32 horas de vídeos e 36h de chamadas. Não fiz tanto tempo de chamadas, como podem calcular, mas no resto comprovo. A bateria é o grande ponto positivo deste telemóvel, apresentando uma capacidade superior a muitos modelos desta gama. Além disso, o telemóvel pode ser utilizado para carregar um outro telemóvel sem grandes complicações.

Mas os pontos positivos não ficam por aqui. Haver uma aplicação nativa para Rádio FM fez-me lembrar os telemóveis antigos e deixou-me um pouco nostálgico, confesso. Não abusei desta aplicação, tendo em conta que já me habituei a ouvir rádio através de outras vias, mas é sempre bom saber que ela está lá.

Em suma, o Huawei Y6P poderia ser um telemóvel relativamente bom para esta gama de preços, mas não o é. Poderia ser um telemóvel para quem não está habituado ainda aos smartphones, mas não o é. Há algumas falhas que não me permitem recomendá-lo. Não trocava o meu iPhone 6 (já com três anos na minha posse) por este modelo e acho que isso diz muito.

Nota: Satisfatorio

Este dispositivo foi cedido para análise pela Huawei Portugal.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

- Publicidade -

Mais Recentes

Mayra Andrade no Coliseu do Porto – Um regresso pleno de brilho

Foram quase duas horas de um espetáculo emotivo, intenso e de grande partilha.