Análise – Football Cup 2021 (Nintendo Switch)

É um jogo de 10€, mas vale a pena gastá-los neste jogo de futebol? Não.

Football Cup 2021
- Publicidade -

Como fã de FIFA desde 2003, estou sempre à espera de jogos de futebol que possam rivalizar de forma a obrigar a EA Sports a dar ao pedal. Com isto, não estou a dizer que estava à espera que este Football Cup 2021 fosse fazê-lo. Na verdade, até podia ser um bom “arranque”, mas nem isso.

Começando pelos pontos positivos que podem ser uma mais valia, caso a 7Levels (estúdio polaco indie de jogos na sua maioria para smartphone) decida apostar neste franchise, temos, em primeiro lugar, a apresentação do jogo, que está bem estruturada a nível de menus com uma interface simples e direta. Basicamente, passa por avançar ou retroceder, onde os únicos momentos de escolha são na hora de selecionar a equipa ou seleção com a qual queremos jogar e a personalização do jogo no que toca a localização (limitado), condições meteorológicas (com pouco efeito visual), duração de jogo (de 2 a 10 minutos) e, por fim, os Modos de Jogo, que parece ser o mais interessante com um boost específico em cada modo.

Outro ponto interessante é a quantidade de desafios e competições base que este jogo alberga, que acabam por estar ligados a uma lista considerável de objetivos a cumprir. Na sua generalidade, os desafios até são divertidos e têm Daily Challenges, onde se pode desbloquear os Modos de Jogo que referi anteriormente. Tem, também, um género de competição introdutória para aprender os comandos. Posso dizer que a interface é muito user friendly e fácil de dominar.

As equipas e seleções, como é evidente, não são licenciadas. Isto faz com nada seja oficial, como os símbolos, nomes das equipas, equipamentos e nomes/números dos jogadores e, obviamente, a cara dos mesmos. Podem, no entanto, editar o nome e números (se tiverem paciência), mas devo dizer que a simplicidade desde jogo faz com que cada equipa só tenha 11 jogadores e não haja substituições.

Não percebo muito bem como é que a pontuação das equipas é calculada, visto que, quando jogo, não noto diferenças nenhumas. Todos os jogadores parecem um modelo genérico a nível de características.

Football Cup 2021

Os gráficos são medíocres, até para a Nintendo Switch. Há 20 anos seriam considerados bons gráficos, mas, para a atualidade, não satisfazem de forma nenhuma, nem as animações. No entanto, até aqui nada fez grande mossa na minha experiência, visto que é um jogo com pouco mais de 200MB de tamanho.

O que não é aceitável? Toda a mecânica de jogo, jogabilidade e controlos disponíveis. Para os desafios específicos de treino, não se nota muito o quão limitado é este jogo, mas quando “entramos em campo” para fazer uma partida, o podre vem ao de cima.

Basicamente, a base de Football Cup 2021 são os controlos que consistem em controlar o jogador no analógico, duas teclas distintas para correr em velocidade, três (!) teclas distintas para movimentos técnicos (completamente aleatórios), uma tecla para chuto com força/corte em pé e uma tecla para chuto devagar/carrinho. É isto. As setas não servem para nada, nem o X ou ou segundo analógico. Percebo o intuito de tornar este jogo num arcade, mas o Actua Soccer, de 1995, também era arcade e tinha muito mais ciência.

A jogabilidade é deprimente. É difícil fazer com que os jogadores se movimentem da forma que queremos, dado que a responsividade dos comandos é fraca e com algum atraso. A mecânica de jogo é o que o mata por completo com exploits para dominar o jogo, jogando sempre da mesma forma. Apanhar a bola, correr sem mudar de direção, chegar à frente do guarda-redes, largar a tecla de correr em velocidade e carregar numa das de movimento técnico e entrar na baliza com a bola. Chutar não compensa muito, visto que o guarda-redes apanha quase sempre a bola, mesmo que esteja a uma distância ridícula da bola.

Ainda não desbloqueei todos os modos de jogo para modificar alguma das características boosted, mas já tenho uma que consiste em acelerar a velocidade do jogo. E aí basta correr em velocidade em direção à baliza, uma vez que o guarda-redes não tem tempo de reação ajustado a essa velocidade de jogo. Em dois minutos de tempo real, consegui marcar 17 golos, neste modo. É ridículo, ainda mais sabendo que este jogo tem uma dificuldade única genérica.

Outro exploit é colocarem-se num canto do campo e ficar parados com a bola até o jogo acabar. Isto tem utilidade caso estejam a ganhar e não vos apeteça perder tempo a marcar mais golos. No modo clássico (velocidade de jogo normal), é raro o jogador da outra equipa conseguir tirar a bola, já no modo que dá boost à velocidade de jogo, o adversário só anda a correr às voltas do jogador com bola sem nunca a tirar. Até tem alguma utilidade, na medida em que este jogo passa, essencialmente, por completar todos os desafios. É um jogo de “colecionador”, onde a qualidade técnica de cada pessoa não tem grande peso. É só saber correr na direção da baliza, basicamente.

Posto tudo isto, o veredito final é péssimo. Como disse, mesmo sabendo que o conteúdo do jogo não era fascinante, podia continuar a ser um bom jogo caso a jogabilidade e mecânica o tornassem divertido. Infelizmente tudo falha, pelo que Football Cup 2021 é uma perda de tempo e dinheiro, ainda mais sabendo que não dá para jogar com amigos, nem online contra outros jogadores.

Compensa mais comprarem um FIFA antigo em segunda mão, que arranjam sem problemas pelo menos preço ou, até, mais barato.

Nota: Mau

Disponível para: Nintendo Swich
Jogado na Nintendo Switch.
Cópia para análise cedida pela 7Levels.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Análise – Ninja Gaiden: Master Collection (PlayStation 4)

Uma coleção imperdível para os fãs que merecia mais fanfarra e conteúdos adicionais.

Análise – Song of Horror (PlayStation 4)

Uma aventura de terror que funciona como um best of do género, mas que falha em ser assustador.

Análise – Wonder Boy: Asha in Monster World (PlayStation 4)

Um clássico reinventado, mas demasiado próximo da versão original para se destacar dos restantes títulos do género.

Análise – Baldur’s Gate: Dark Alliance (Nintendo Switch)

Viagem até Baldur’s Gate e redescubram um excelente clássico do género, mas cuja pintura não esconde o tempo e a falta de dedicação da produtora.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

CP repõe a totalidade de lugares disponíveis nos comboios apenas com lugares sentados

Fica sem efeito qualquer limitação imposta no âmbito da pandemia COVID-19.

Explora Journeys. Grupo MSC entra no mercado de cruzeiros de luxo

O primeiro dos quatro navios de luxo iniciará os seus cruzeiros em 2023, com outros três navios programados para navegar em 2024, 2025 e 2026.

As novidades da Square Enix na E3 2021

Marvel e Final Fantasy marcaram presença na transmissão.