Análise – Corsair Void RGB Elite Wireless

Os Corsair Void RGB Elite Wireless são uma das várias apostas da marca de periféricos gaming para quem procura uma solução áudio para as suas sessões de jogo, com som envolvente e de boa qualidade. Estes foram a minha estreia com a marca neste departamento e, como tal, foi como experimentar um produto completamente novo.  

Uma das particularidades da Corsair que salta logo à vista é o design moderno com linhas angulares e futuristas dos seus produtos, algo que se destaca bastante no formato dos Corsair Void RGB Elite Wireless.

Usando o mesmo formato que a série Void introduziu em modelos anteriores, temos um par de auscultadores com umas cúpulas de aspeto mais geométrico e assimétrico, ao contrário de muitos outros equipamentos do género do mercado, uma banda grossa e sólida e um gigante braço móvel para o microfone.

Não é, de todo, um equipamento feio, mas é bastante peculiar na sua forma, onde o único aspeto negativo a apontar será mesmo o braço do microfone que não é destacável, dando a sensação que temos uma antena à antiga quando está arrumado.

Há alguma sensação de plástico a mais no seu manuseamento, mas os Corsair Void RGB Elite Wireless são, na prática, bem maleáveis e robustos. Mas este é um aspeto menor, uma vez que estamos a falar de um equipamento que custa cerca de 100€.

Felizmente a sua forma traz vantagens, nomeadamente no conforto. O formato das cúpulas ajusta-se excecionalmente bem à forma de uma orelha e tem o espaço suficiente para a deixar respirar. A banda não magoa nem aperta desnecessariamente a cabeça e as almofadas são igualmente agradáveis, mantendo o isolamento necessário e permitindo o uso confortável e sem calor durante várias horas de utilização.

A utilização dos Corsair Void RGB Elite Wireless é bastante simples. Graças a uma pen hilariantemente grande, comparativamente a outros produtos do género, podemos ligar estes auscultadores a um PC ou PlayStation 4 e simplesmente começar a usar.

No dispositivo contamos com um botão de on/off, o de mute do microfone (que se desliga automaticamente na sua posição de descanso) e um pequeno controlador de volume que, sabe-se lá porquê, apenas parece funcionar quando ligado ao PC.

Não há a obrigação de usar o software da Corsair, o iCue, mas, ao fazê-lo, temos algumas vantagens, como tirar partido do equalizador de áudio, personalizar as cores do logótipo da Corsair (ou não tivesse este modelo RGB no nome), entre outros ajustes e criações de perfis.

A vantagem particular deste modelo face a outros da mesma linha é a tecnologia Wireless e, por extensão, a sua bateria. Os Corsair Void RGB Elite Wireless parecem ser imunes a qualquer tipo de latência ou ruído, nunca perdendo sinal até que a bateria se esgote. Sendo um equipamento para jogadores que não se afastam muito da sua secretária durante a utilização, os Corsair Void RGB Elite Wireless cumprem o seu objetivo de forma exemplar. Já a bateria é, provavelmente, um dos pontos mais fortes deste equipamento para quem procura alguma liberdade, com a sua utilização a atingir as 12 horas de utilização contínua.

Os Corsair Void RGB Elite Wireless contam com uma porta micro-USB que permite o carregamento da bateria, que demora em média três a quatro horas a carregar de forma contínua, mas que não substitui a pen USB para se poder utilizar, o que significa que, caso a pen de ligação se estrague ou a percam de vista, os Corsair Void RGB Elite Wireless deixam de funcionar, e que, durante o carregamento, vamos ter duas portas USB em utilização simultânea.

No que toca ao som, os Corsair Void RGB Elite Wireless fazem o suficiente para a gama em que se inserem. Para um utilizador menos exigente são perfeitos, mas não são os mais indicados para quem procura um som mais encorpado.

Sem equalização, tanto os baixos como os agudos podiam ser mais bem trabalhados, e são os sons intermédios que mais se destacam, o que acaba por resultar num som mais seco e sem grande dimensão. Felizmente, o software iCue acaba por ajudar a criar uma ilusão de som mais encorpado e é quase essencial experimentar e criar perfis para diferentes tipos de utilização, seja jogo, filme, música, entre outros.

Por outro lado, destaca-se o efeito de surround virtual dos Corsair Void RGB Elite Wireless, que são capazes de fazer uma boa distribuição espacial dos sons, especialmente em jogos compatíveis para o efeito, onde personagens que surgem fora da nossa visão periférica conseguem distinguir-se bastante bem. Infelizmente, esta funcionalidade está apenas disponível no PC, sendo que na PS4 estamos limitados ao estéreo.

Por fim, a nível de comunicação, estes auscultadores são certificados pelo Discord e fazem um trabalho competente para o efeito, com um som limpo e com pouco ruído, mas que requer algum esforço do utilizador em falar um pouco mais alto para a sua voz ser registada, pelo que é necessário brincar um pouco com as definições no software da Corsair.

No geral, os Corsair Void RGB Elite Wireless são uma mistura de pontos fortes e outros tantos competentes. Por 109,99€ podem não ser os auscultadores com a melhor qualidade de som ou até mesmo os mais versáteis, mas comportam-se de forma satisfatória, onde os grandes destaques são mesmo o seu conforto de utilização, a liberdade sem fios e a sua bateria de longa duração.

Os Corsair Void RGB Elite Wireless podem ser adquiridos através da loja oficial da Corsair e nos pontos de venda habitais.

Nota: Bom

Corsair Void RGB Elite Wireless

Este dispositivo foi cedido para análise pela Corsair.

Os Corsair Void RGB Elite Wireless são uma mistura de pontos fortes e outros tantos competentes. Por 109,99€ podem não ser os auscultadores com a melhor qualidade de som ou até mesmo os mais versáteis, mas comportam-se de forma satisfatória.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,468FansCurti
4,048SeguidoresSeguir
535SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Shirley

Shirley é, sem dúvida alguma, cinema de autor por parte de Josephine Decker, que entrega uma biopic única que quebra todas as limitações impostas pelo género.

Análise – TT Isle of Man II: Ride on the Edge (Nintendo Switch)

Se procuram um jogo de corridas excitante, realista e que leve ao limite as vossas habilidades na Switch, TT Isle of Man II: Ride on the Edge é a resposta.

Crítica – White Lines

Mistério, drama e romance. A nova produção de Álex Pina tem um pouco de tudo.

Crítica – The Untouchables (1987)

Apesar de três longas décadas, The Untouchables sobrevive ao teste do tempo com uma produção autêntica e realista.
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – I May Destroy You (Temporada 1)

A HBO está prestes a lançar mais uma série moderna e explosiva que decompõe na perfeição uma temática sensível: o "consentimento sexual".

Razer revela a segunda versão dos teclados Ornata

Um teclado híbrido para uma utilização mais casual.