Too Good To Go. Alguns estabelecimentos não entendem o combate ao desperdício alimentar

Existem vários relatos de utilizadores insatisfeitos com Magic Boxes que levantaram em diversos restaurantes e pastelarias.

Too Good To Go - desperdício alimentar
- Publicidade -

Quem nos segue deverá saber por esta altura que somos grandes fãs da Too Good To Go, aplicação dinamarquesa que chegou a Portugal no ano passado para combater o desperdício alimentar.

Para quem ainda não está a par, a Too Good To Go é uma app que faz com que seja possível comprar excedentes alimentares de restaurantes, hotéis e supermercados.

Isto acontece graças ao marketplace online daquele serviço, local onde os estabelecimentos parceiros podem colocar à venda os excedentes do final do turno ou do dia.

No final do dia, é uma decisão que irá ajudar a baixar custos de produção e a evitar o desperdício alimentar, além de que os utilizadores podem beneficiar de refeições de qualidade a preços mais acessíveis. Sem a Too Good To Go, muitos desses produtos e refeições iriam para o lixo.

Aliás, existir a Too Good To Go em Portugal é bastante relevante, uma vez que, no país, os portugueses desperdiçam todos os anos um milhão de toneladas de comida, o que equivale a 50 mil refeições todos os dias.

Dito isto, é fácil perceber o valor deste aplicação dinamarquesa, que muitas alegrias tem dado aos utilizadores portugueses. Porém, nem tudo é perfeito.

O objetivo da app é, lá está, combater o desperdício alimentar, mas existem estabelecimentos que não entendem bem o conceito, com os responsáveis a aproveitarem a existência da app para despachar produtos que, até então, não tinham vendido nesse dia. Há também quem tenha levantado encomendas que não correspondem ao valor real.

Too Good To Go
Duas Magic Box (2,99€ cada). Foto: Ana Carneiro Santo

A imagem que podem ver aqui em cima é um desses exemplos. Não vamos referir o nome do estabelecimento, mas esta foto diz respeito a duas Magic Box (cada caixa custou 2,99€), cujo valor original é de 18€.

O intuito da Too Good To Go é fazer com que os utilizadores tenham direito a produtos que custam x, mas que, como são excedentes, podem ser adquiridos a preços muitíssimo atrativos. Não é difícil compreender o conceito, até porque é uma forma de conseguir algum dinheiro ao invés de se mandar os excedentes para o lixo.

Claramente não foi o caso desta pastelaria. Fazendo as contas, alguém pagou 5,98€ por cinco produtos e, por este preço, mais parece que estava a comprar algo pelo valor normal, como se tivesse ido a uma outra pastelaria qualquer. Não faz sentido.

Na primeira das fotos que podem ver aqui em cima está uma Magic Box que foi levantada numa churrasqueira. Sim, sabemos que não é possível escolher o que vem na caixa, pelo que, muito provavelmente, não nos vão dar um frango assado. Ainda assim, não deixa de ser publicidade enganosa. Na app, esta Magic Box custa 3,99€, mas o valor original é de 12€. Será? Temos muitas dúvidas.

A segunda imagem diz respeito a um estabelecimento em Coimbra, com esta “waste warrior” (é assim que a Too Good To Go chama aos seus utilizadores) a referir que, após ter chegado a casa, notou que não tinha nem uma única peça de fruta que estivesse em condições para consumo. Para estas casos, a Too Good To Go refere que “atendendo ao carácter mais volátil deste tipo de excedentes, até 20% do conteúdo pode não estar em óptimas condições”. Tudo certo, mas, pela foto, mais de 20% dos produtos não está em condições.

Já a terceira foto apresenta produtos de mais uma Magic Box, neste caso de uma pastelaria em Portimão. Por 3,29€, trouxe uma quantidade que, diríamos, é justa, tendo em conta o preço. O problema? Estava tudo duro. “Os brigadeiros de coco mais pareciam pedras da calçada”, desabafou a utilizadora que adquiriu a caixa, tendo mandado tudo para o lixo.

Não queremos encher este artigo de maus exemplos/más experiências, mas há claramente quem não perceba o intuito da aplicação, não só não fazendo o que é suposto, mas aproveitando-se para meter mais alguns euros no bolso injustamente.

A equipa do Echo Boomer também teve más experiências, desde recolher Magic Boxes que não valiam o valor original até situações em que ninguém no estabelecimento sabia da existência da aplicação, ficando sem saber o que fazer e fazendo-nos esperar largos minutos. Francamente mau.

Existe, parece-nos, uma falta de orientação. Não basta querer aderir à app, é preciso compreender e identificar-se com o conceito de combate ao desperdício alimentar. Seria também positivo a Too Good To Go “obrigar” os estabelecimentos aderentes a dar formação a todos os seus funcionários, pois assim já não existiriam tantos problemas.

Claro, nem tudo é mau. Existem muitos utilizadores com experiências extremamente positivas, trazendo, por diversas vezes, vários produtos que excedem largamente o valor original. Basta verem as stories que a empresa vai fazendo no Instagram.

- Publicidade -

Parceiros

Relacionados

Sim, também é possível “salvar” vinhos na Too Good To Go

Depois da comida, a popular app dinamarquesa vai dando os primeiros passos ao evitar o desperdício de bebidas.

Ferbar adere à iniciativa da Too Good To Go para ensinar a ler corretamente os prazos de validade

53% dos consumidores não sabe interpretar prazos de validade - e isso causa desperdício de alimentos.

Too Good To Go já salva cervejas da Heineken, Sagres e outras marcas

Tudo marcas da Sociedade Central de Cervejas.

Too Good To Go está a expandir-se no Médio Tejo

Significa que já podem combater o desperdício alimentar nas zonas de Entroncamento, Tomar, Ourém ou Sertã.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

60.000 jovens vão poder fazer um Interrail gratuito já em 2022

Poderão viajar por um período máximo de 30 dias.

Chegou o trailer oficial da 3ª temporada de You

E muita coisa vai acontecer nos novos episódios. Depois das primeiras imagens e da data de estreia da terceira temporada,...

10.ª edição do Open House Lisboa leva-nos a descobrir “Os Caminhos da Água” com várias visitas gratuitas na capital e em Almada

25 e 26 de setembro são as datas do regresso do incontornável fim de semana de visitas gratuitas que desafia a percorrer e a desvendar a cidade através da arquitectura.