Lisboa é a 106ª cidade mais cara do mundo no que toca ao custo de vida

A capital portuguesa desceu 11 posições face ao ano passado.

Lisboa - custo de vida

O estudo é da Mercer, empresa que se dedica a co-construir futuros mais brilhantes, através da redefinição do mundo do trabalho, da melhoria dos resultados em pensões e investimento e da promoção da saúde e bem-estar das pessoas.

Na 26ª edição do estudo Custo de Vida, concluiu-se que um conjunto de fatores, incluindo flutuações cambiais, custo da inflação no que se refere a bens e serviços e a volatilidade dos preços de alojamento, são determinantes para o custo geral dos “pacotes de expatriação” para colaboradores em projetos internacionais.

Estudo “Cost of Living 2020” da Mercer

De acordo com o estudo Cost of Living Survey 2020 da Mercer, a cidade de Lisboa desceu onze posições no ranking, passando da 95ª posição em 2019, para o 106º lugar em 2020.

Através do estudo, é ainda possível concluir que o preço da gasolina em Lisboa (1,61€ p/ litro de gasolina 95 octanas) é dos mais elevados tendo em conta as restantes cidades do ranking. Por outro lado, e comparativamente com a cidade mais cara do ranking, o preço médio de produtos de limpeza, que inclui antissépticos, produtos de limpeza de casa ou detergente para máquina de lavar loiça, a cidade de Lisboa apresenta um custo médio de 32,90€. Em Hong Kong, a cidade mais cara do mundo para expatriados, o valor médio é de 37,80€.

A cidade de Hong Kong figura no top do ranking das cidades mais caras para expatriados, seguida de Ashgabat, no Turquemenistão, que ocupa a segunda posição. Tóquio e Zurique mantêm-se nos 3º e 4º lugares, respetivamente, ao passo que Singapura, que ocupa o 5º lugar, desceu dois lugares, comparativamente ao ano de 2019. Os dados foram recolhidos em março pela Mercer; as flutuações de preço em muitas regiões não se revelaram significantes devido à pandemia.

Outras cidades que se encontram no top 10 são Nova Iorque (5), Xangai (6), Xangai (7), Berna (8), Genebra (9), e Pequim (10). As cidades menos caras para expatriados são Tunes (209), Windhoek (208) e Toshkent e Bishkek, que empatam no 206º lugar.

Américas

Embora a retração económica global tenha deflagrado na primeira parte do ano, a força do dólar aumentou os custos para os expatriados localizados nas cidades norte-americanas. Como resultado, as cidades dos Estados Unidos da América escalaram no ranking deste ano das cidades mais caras. Nova Iorque, que ocupa o 6º lugar, é a cidade norte-americana com maior classificação neste ranking, seguida de São Francisco (16), Los Angeles (17), Honolulu (28) e Chicago (30). Winston-Salem e Carolina do Norte (132) permanecem como as cidades menos dispendiosas dos EUA para expatriados.

Na América do Sul, San Juan (66), em Porto Rico, é classificada como a cidade mais cara, seguida por Porto de Espanha (73), San José (78) e Montevideu (88). Manágua (198) é a cidade menos cara da América do Sul. A cidade de Caracas, na Venezuela, está excluída do ranking devido à complexa situação cambial que enfrenta; a sua posição poderia ter uma grande variação devido à taxa de câmbio oficial selecionada.

O dólar canadiano valorizou, provocando um salto no ranking deste ano. Vancouver (94), que subiu 18 lugares de 2019 para 2020, é a cidade canadiana mais cara, seguida de Toronto (98). Otava é a cidade menos dispendiosa deste país, ocupando o 151º lugar.

Europa, Médio Oriente e África

São três as cidades europeias que se encontram no TOP 10 da ranking das localizações mais caras. No 4º lugar do ranking global, Zurique mantém-se como a cidade mais dispendiosa, seguida de Berna (8), que subiu quatro lugares desde o ano passado. Genebra a outra cidade europeia que subiu quatro lugares no ranking, ocupando a 9ª posição.

Apesar de se ter registado um fraco crescimento dos preços ao longo da região, muitas moedas locais da Europa enfraqueceram face ao dólar norte-americano. As economias francesa e italiana enfraqueceram no final de 2019 e o crescimento da Zona Euro foi nulo. Ainda assim, não se verificam sinais da crise no que diz respeito à inflação de qualquer um dos países da UE. Esta região assinalou quebras no ranking deste ano, especialmente em cidades como Paris (50), Milão (47) e Frankfurt (76).

A decisão do Reino Unido se retirar da União Europeia não impactou a sua moeda local, que se mantém forte, valorizando-se a par das grandes divisas mundiais. Londres (19), Birmingham (129) e Belfast (149), subiram quatro, seis e nove lugares, respetivamente.

Os Emirados Árabes Unidos continuam a diversificar a economia, com a subsequente redução do impacto da indústria petrolífera no PIB. Com este processo em curso, registaram-se flutuações negativas de preço no Dubai e em Abu Dhabi. Tal como os EAU, também a Arábia Saudita pretende limitar o impacto das exportações petrolíferas e focar-se num modelo económico mais diversificado. Os preços mantiveram-se estáveis ao longo dos últimos seis meses; no entanto, com a aproximação do aumento do imposto sobre o valor acrescentado, é esperado que os preços mudem.

Telavive (12) continua a ser a cidade mais cara do Médio Oriente para os expatriados, seguida do Dubai (23), Riad (31) e Abu Dhabi (39). Cairo (126) mantém-se como a cidade menos cara da região, apesar de ter subido quatro posições.

Djamena, no Chade, ocupa a 15ª posição, sendo a cidade mais cara de África, enquanto Tunes, na Tunísia, é a cidade menos cara da região e também a nível global, ocupando a 209ª posição, a última do ranking.

Ásia Pacífico

Do TOP 10 das cidades mais caras deste ano, 6 encontram-se na Ásia. Hong Kong (1) mantém o seu lugar como a cidade mais cara para expatriados, quer na Ásia como em todo o Mundo, devido às flutuações cambiais calculadas face ao dólar norte-americano e também pelo aumento do custo de vida. Este centro financeiro global é seguido por Ashgabat(2), Tóquio (3), Singapura (5), Xangai (7) e Pequim (10). Bombaim (60) é a cidade mais cara da Índia, sendo que Calcutá (185) é a cidade menos dispendiosa deste país.

As cidades australianas caíram no ranking deste ano, uma vez que a moeda local desvalorizou face ao dólar norte-americano. A cidade de Sidney é a mais cara da Austrália para expatriados, ocupando o 66º lugar do ranking global, descendo seis lugares este ano. Adelaide é a cidade menos dispendiosa da região, que caí este ano dezassete lugares, ocupando a posição 126 do ranking.

Fonte:Mercer
- Publicidade -

Sigam-nos

10,709FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
623SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Lisboa abre candidaturas para o programa de apoio à aquisição de bicicletas

Na última década, a rede ciclável de Lisboa cresceu de sete quilómetros para cerca de 90...

Governo prolonga Estado de Calamidade em 15 freguesias de cinco concelhos da Área Metropolitana de Lisboa

Tudo isto devido ao elevado número de novos casos de Covid-19 nas últimas semanas.

Lisboa vai ter rede ciclável de 200 km até 2021 e mais estacionamento para bicicletas

Transformação do espaço pedonal e aumento da rede ciclável são algumas das medidas do município para evitar o aumento do transporte individual e a poluição.
- Publicidade -

Mais Recentes

Como prevenir ataques DDoS: 6 dicas para manter o vosso site seguro

Ser vítima de um Ataque Distribuído de Negação de Serviço (DDoS) pode ser catastrófico.

Crítica – Lovecraft Country (Temporada 1 – Primeiros 5 episódios)

O que é que acontece quando, a um elenco de qualidade, se junta uma equipa técnica de sonho? A resposta a essa pergunta começa a desenhar-se com os primeiros episódios de Lovecraft Country.