Divulgado parte do cartaz para a primeira edição do festival Electric Daisy Carnival (EDC) em Portugal

- Publicidade -

Há nomes como Armin Van Buuren, Alesso, Chus & Ceballos, marshmello, Richie Hawtin e Tiësto no lineup.

Electric Daisy Carnival (EDC)

Foi na semana passada que começámos por avançar a novidade de que o festival eletrónico Electric Daisy Carnival (EDC) iria ganhar uma nova edição europeia, com essa segunda tentativa de expansão a realizar-se em Portugal.

A acontecer entre 18 e 20 de junho do próximo ano na Praia da Rocha, em Portimão, o Electric Daisy Carnival é considerado não só o maior festival de música eletrónica da América do Norte, mas também um dos maiores do mundo. Porquê? Devido aos cartazes apresentados a cada edição, pois claro.

Quando falámos do festival, não existiam quaisquer pistas sobre os nomes que iriam integrar o lineup. Mas isso agora mudou.

A organização acabou de confirmar o cartaz da edição portuguesa do festival e, confessamos, mete respeito. Há nomes como Armin Van Buuren, Alesso, Alok, Chus & Ceballos, Dimitri Vegas & Like Mike, Diplo, marshmello, Netsky, Paul Kalkbrenner, Richie Hawtin, Scooter (quem se lembra deles?) e Tiësto no lineup.

No que toca aos bilhetes para esta versão portuguesa do Electric Daisy Carnival, sabe-se que as pré-vendas arrancam já amanhã, dia 1 de outubro. Durante esse período, e de modo a assegurar o vosso bilhete, deverão efetuar um depósito de 20€, podendo depois adquirir passes gerais (a partir de 129€) ou passes VIP (a partir de 199€).

- Publicidade -

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Electric Daisy Carnival Portugal adiado para 2022

O festival deveria realizar-se em junho deste ano.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Burlões viram-se para a Vinted para roubar dinheiro

O Portal da Queixa identificou um aumento no número de que envolvem burlas online.

Governo criar criar mais 10 mil lugares de creche em todo o país nos próximos anos

O Estado deixa de apoiar exclusivamente as famílias de mais baixos rendimentos (1.º e 2.º escalões) e passa a abranger todas as crianças independentemente do rendimento das famílias.