Análise – Razer BlackShark V2 X

Pacote completo a baixo preço.

Razer Blackshark V2 X

O que é que faz um par de auscultadores para gaming bom? A qualidade de som? A versatilidade? As funções? O aspeto? Um pouco de tudo. E oferecer tudo isso num pacote acessível a todos é, por vezes, complicado, e requer alguns compromissos.

Na expansão do seu catálogo, a Razer lança agora um novo par de auscultadores, a sequela de um modelo antigo com quase 10 anos, que chega revisto e melhorado em vários aspetos. Em exclusivo nacional para o Echo Boomer, conheçam o Razer BlackShark V2 X.

Quando a Razer me propôs um “test-drive” aos seus novos auscultadores, corri logo à procura de informações sobre o modelo anterior. Lançado no iníco da década passada, já era um periférico dedicado ao gaming e tinha versões temáticas para Call of Duty Black Ops II, Assassin’s Creed III, Hitman Absolution, Battlefield 3, entre outras.

Apercebi-me logo que estava perante um dispositivo budget, isto para manter as expectativas no sítio, e que tinha um visual bem peculiar, meio retrofuturista e “steampunk”. Já o novo modelo, o Razer BlackShark V2 X, mantém a sua filosofia, com um aspeto mais moderno, um preço acessível e uma série de funções que irão agradar a todos.

O Razer BlackShark V2 X apresenta-se com um misto de moderno e antigo, com a sua banda almofadada semelhante a outros modelos de auscultadores da Razer, com as cúpulas arredondadas presas por dois arames extensíveis, para o ajuste na cabeça, e um braço fixo com um microfone cardioide.

Razer Blackshark V2 X

Esteticamente, posso dizer que dá um salto de gigante face ao modelo anterior. É mais sóbrio e menos “arcaico” e já parece sair de uma linha de montagem, ou seja, não dá tanto o aspeto de como se fosse um protótipo feito à mão. Ao mesmo tempo que tem um look clássico, dá, numa primeira impressão, a ideia de estarmos perante um produto premium.

Digo de primeira impressão porque, quando manuseamos o Razer BlackShark V2 X, percebemos que há um enorme sacrifício nos materiais de construção, com plásticos e couro artificial, e mesmo os arames de ajuste dão ideia que vão dobrar a qualquer momento. Felizmente, apesar do tato barato, tudo parece sólido, resistente e funcional, até porque os Razer BlackShark V2 X são extremamente confortáveis de se usar. Mas ainda no seu exterior, encontramos também dois pequenos inputs, um de mute do microfone e um controlador de volume, muito práticos e acessíveis.

Como dizia, os Razer BlackShark V2 X são extremamente confortáveis. O ajuste nos seus finos braços faz-se com alguma suavidade, sem grande resistência e ficam facilmente fixos. A sua banda é maleável, ainda que tenha tido algum medo a testar a sua resistência, mas, em conjunto com a extensão dos braços, os Razer BlackShark V2 X “cabem” em qualquer tipo de cabeça, de forma confortável e sem fazerem grande pressão.

O conforto também se sente em volta das orelhas com os auscultadores largos e muito espaço para colocar a orelha, ao mesmo tempo que cria uma excelente câmara acústica que deixa o som “respirar”. As almofadas são revestidas numa textura em couro e, por dentro, há uma película respiratória que mantém as orelhas frescas durante longos períodos de tempo, ou não seria este produto dirigido a jogadores.

No departamento áudio, os Razer BlackShark V2 X deixam uma excelente impressão. O seu microfone de cardioide vem protegido com uma pequena esponja que elimina sopros e respirações e conta com tecnologias proprietárias da Razer para um som claro.

Na prática, não é dos melhores microfones que já usei, e, claro, não se compara a um bom microfone de mesa, por isso não esperem resultados dignos para um podcast ou conteúdos narrados sem passarem algum tempo de volta de pós-processamento. Porém, para chamadas e sessões de jogo online, é impecável. A anulação de ruído resulta o quanto basta, ao ponto de cliques de teclas e de rato não serem muito notórios, o que é fantástico para não chatear os nossos colegas no outro lado do jogo.

Já na qualidade áudio, para o seu valor e propósito, os Razer BlackShark V2 X são fantásticos. O som é claro e, graças à acústica das cúpulas, o áudio respira e dá-nos um alcance de tons muito grande. Este é também o resultado dos três drivers híbridos dedicados aos sons médios, altos e baixos, criando uma experiência de som equilibrada e confortável, mesmo com o volume no seu máximo, sem qualquer distorção.

Como começa a ser comum nos auscultadores da Razer, os Razer BlackShark V2 X têm compatibilidade com som surround 7.1 virtual, apenas disponível no PC, que simula o posicionamento espacial de itens e obstáculos nos jogos e até em filmes. Contudo, estes conteúdos têm que ser compatíveis, ou no caso dos jogos, ter opção para surround para que seja possível tirar máximo partido dos Razer BlackShark V2 X.

E por falar em compatibilidade, os Razer BlackShark V2 X são extremamente versáteis para o jogador multiplataformas, pois podem ser usados em todas as plataformas – PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch, PC, Android e iOS -, desde que haja uma simples e antiga porta áudio de 3.5mm. É só ligar e usar.

Já a pensar nos utilizadores de PC, que têm as opções de entrada e saída áudio mais vastas, a Razer resolveu incluir no pacote dos Razer BlackShark V2 X um adaptador/extensão que divide os canais de entrada e saída em duas fichas.

Os Razer BlackShark V2 X são simplesmente fantásticos. É fácil perceber onde é que a Razer atalhou para os tornar mais acessíveis, mais especificamente na qualidade dos materiais, mas o seu aspeto diferente, em conjunto com a sua versatilidade e uma qualidade de experiência áudio bastante confortável, tornam-nos numa excelente aposta para algo tão abaixo dos 100€.

Os Razer BlackShark V2 X já estão disponíveis na loja da Razer por 69,99€.

Nota: Muito Bom - Recomendado

Este dispositivo foi cedido para análise pela Razer.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,689FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
622SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

- Publicidade -

Mais Recentes

Leroy Merlin vai apostar em lojas de grande, médio e pequeno formato

Cada uma com uma oferta de produtos e serviços ajustada.

Crítica – The Rental

Francamente, um filme de terror muito inocente.

Nova Carta do Mano a Mano – Os italianos não têm de ser todos iguais

E uma maneira boa de o fazer é trazer um Chef Executivo como Giovanni Pellegrini.